segunda-feira, 30 de maio de 2016

O QUE É REALMENTE O PASSADO E O FUTURO / DEUS E O DIABO

Excertos retirados do livro Conversas com Deus 3, por Neale Walsch

( página 30 á página 41 )


- O que tem que ver o passado com o futuro?

- Quando você conhece o passado, pode saber mais a respeito de todos seus possíveis futuros. Aproximou-se de Mim para me pedir que fizesse com que sua vida funcionasse melhor. Será útil para ti saber como chegou e onde se encontra hoje.

Falarei do Poder e da Força e da diferença entre ambos. Conversarei com você a respeito dessa figura de Satanás que inventaram, como e por que o inventaram e como decidiram que seu Deus era um "Ele" e não uma "Ela".

Falarei de Quem Sou Realmente e não de quem dizem que sou em suas mitologias. Descreverei Minha Existência de tal maneira que gostosamente substituirá a mitologia com  a cosmologia, a verdadeira cosmologia do universo e sua relação a Mim. Farei que saiba sobre a vida, como funciona e por que funciona dessa maneira. Este capítulo tratará todas essas coisas.

Quando conhecer essas coisas, poderá decidir o que deseja desprezar entre o que sua raça criou. Esta terceira parte de nossa conversação, este terceiro livro, trata de construir um mundo mais novo, criando uma nova realidade.

Vocês, Meus filhos, viveram em uma prisão idealizada por vocês. Já é hora de que se libertarem. Aprisionaram suas cinco emoções naturais, as reprimindo e as convertendo em emoções não naturais, o que causou infelicidade, morte e destruição para seu mundo.

Neste planeta durante séculos, o modelo de comportamento tem sido não “coerente” com suas emoções. Se sentem aflição, superam-na; se sentem aborrecimento, engolem; se sentem inveja, isto os envergonha; se sentem temor, superam-no; se sentem amor, controlam-no, limitam-no, esperam, fogem dele, fazem algo para evitar expressá-lo plenamente, aqui, neste momento.

Já é tempo de libertarem-se.

Na verdade, aprisionaram o seu Eu Sagrado e já é hora de que liberem o seu Eu. 

- Isto começa a me entusiasmar. Como começamos? 
Onde começamos?

- Em nosso breve estudo para compreender como tudo teve que ser desta maneira, retornamos à época quando sua sociedade reorganizava-se. Isto é, quando os homens se converteram na espécie dominante e decidiram que não era adequado expressar as emoções ou, em alguns casos, inclusive de senti-las.


- A que se refere ao dizer "quando a sociedade organizava-se"? Sobre o que falamos aqui?

- Ao princípio de sua história, viveram neste planeta em uma sociedade de matriarcado. Logo houve uma mudança e surgiu o patriarcado. Quando fizeram essa mudança, deixaram de expressar suas emoções. Etiquetaram como "debilidade" fazer isto. Foi durante este período que os homens inventaram também ao demónio e o Deus masculino.



- Os homens inventaram o diabo?

- Sim, Satanás foi essencialmente uma invenção masculina. Finalmente, toda a sociedade o aceitou; entretanto, o afastar-se das emoções e a invenção de um "Ser Malvado" foi parte  de uma rebelião masculina contra o matriarcado, um período durante o qual as mulheres governaram tudo com suas emoções. Ocupavam todos os postos do governo, todos os postos religiosos de poder, todos os lugares de influência no comércio, a ciência, o ensino e a cura.


- Que poder tinham os homens?

- Nenhum. Os homens tinham que justificar sua existência, porque tinham muito pouca importância, além de sua habilidade para fertilizar os óvulos femininos e mover os objetos pesados.

Assemelhavam-se muito às formigas e abelhas operárias. Encarregavam-se do trabalho físico pesado e se asseguravam de que nascessem crianças e estivessem protegidas.

Os homens precisaram de centenas de anos para encontrar e criar um lugar mais  importante para eles em sua sociedade. Transcorreram séculos antes que aos homens lhes permitisse participar dos assuntos de seu clã; de ter voz ou voto nas decisões da comunidade. As mulheres não os consideravam o suficientemente inteligentes para compreender desses assuntos.

Fica difícil imaginar que alguma sociedade proíba realmente a toda uma classe de pessoas inclusive votar, com base só no gênero.


- Agrada-me seu senso de humor a respeito disto. Na verdade me agrada. 
Continuamos? Por favor.

- Transcorreram séculos antes que lhes ocorresse, pensar que na verdade poderiam ocupar postos de liderança, nos quais finalmente tivessem a oportunidade de votar. Outros postos de influência e de poder dentro de sua cultura lhes foram negados de uma forma similar.

Quando os homens afinal ocuparam postos de autoridade dentro da sociedade, quando afinal deixaram de ser criadores de bebês e escravos físicos virtuais, deve dar-se os o crédito de que não tenham agido da mesma maneira com as mulheres, mas sim sempre concordaram em respeitar às mulheres e lhes dar o poder e a influência que merecem todos os seres humanos, sem importar seu sexo. Eis aquilo engraçado outra vez.


- Oh, lamento-o. Eu estava no planeta errado?

- Voltemos para nossa narração. Não obstante, antes que continuemos com o tema da invenção do "diabo", falemos um pouco sobre o poder. É óbvio, devido a este surgiu a invenção de Satanás.

- Agora dirá que os homens têm todo o poder na sociedade atual, não é assim? Permita-me falar antes que Você e Te dizer por que considero que aconteceu isto.

Disse que durante o período do matriarcado, os homens se assemelhavam bastante às abelhas  operárias  e  que  serviam  à  abelha  rainha.  Disse  que  se  encarregavam de desempenhar o trabalho físico difícil e de assegurar-se de que nascessem crianças e estivessem protegidas. 

Gostaria de perguntar "o que mudou? Isso é o que fazem agora!”

- Posso apostar que muitos homens possivelmente diriam que não mudou muito a situação, com exceção de que os homens obtiveram um preço por manter sua "ingrata função".

- Eles receberam mais poder. Atualmente, quase todo o poder.

- De acordo, grande parte do poder. Não obstante, a ironia que vejo aqui é que ambos os sexos pensam que se encarregam das tarefas ingratas, enquanto que o outro sexo tem toda a diversão. Os homens mostram ressentimento para com as mulheres que estão tentando recuperar parte de seu poder, porque dizem eles serão condenados se eles  fizessem tudo  o que fazem pela tradição, e nem ao menos tem o poder necessário para fazê-lo.

- As mulheres mostram ressentimento para com os homens que têm todo o poder e dizem  que elas que serão condenadas se elas continuarem fazendo pela tradição o que fazem, se forem permanecer sem poder.


- Analisou-o corretamente. Os homens e as mulheres estão condenados a repetir seus próprios enganos em um ciclo contínuo de miséria auto-infligida, até que uma parte ou a outra compreenda que a vida não é poder, a não ser fortaleza. Até que ambos  compreendam que não se trata de separação, mas sim de unidade. É na unidade onde existe a força interior e é na separação aonde se dissipa, deixando uma sensação de debilidade e de impotência e, portanto, de luta pelo poder.

Digo-lhes isto: Cuidem do racha entre vocês, terminem com esse distanciamento entre vocês e com a ilusão de separação e assim voltarão para a fonte de sua força interior. Aí é onde encontrarão o verdadeiro poder. O poder para fazer algo. O poder de ser algo. O   poder de ter algo, porque o poder para criar se deriva da fortaleza interior que se produz através da unidade.

Isto é certo na relação entre vocês e seu Deus, assim como é notavelmente certo da relação entre você e seus semelhantes.

Deixem de pensar que estão separados e todo o poder verdadeiro que se obtém  da fortaleza interior da unidade será dele, como uma sociedade mundial e como uma parte individual desse todo para exercer seus desejos.

Entretanto, lembrem disso:

O poder surge da força interior. A fortaleza interior não se obtém do poder bruto. Referente  a isto, quase todo mundo compreende o contrário.

O poder sem a fortaleza interior é uma ilusão. A fortaleza interior sem unidade é uma mentira. Uma mentira que não serviu à raça, mas sim se enraizou firmemente na consciência de sua raça. Vocês pensam que a fortaleza interior surge da individualidade e  da separação e, Simplesmente, isto não é assim. A separação de Deus e entre vocês é a causa de todo seu mau funcionamento e sofrimento. Não obstante, a separação continua disfarçada como fortaleza e sua política, sua economia e inclusive suas religiões, perpetuaram a mentira.


Esta mentira é a gênese de todas as guerras e de todas as lutas de classe que conduzem à guerra; de toda a animosidade entre as raças e os gêneros e de todas as lutas de poder que conduzem à animosidade; de todos os julgamentos e as tribulações e de todas as lutas internas que levam às tribulações.

Apesar disto, aferram-se com tenacidade à mentira, sem importar que já viram para onde os conduz, inclusive os conduzirá até sua própria destruição.

Agora lhes direi isto: conheçam a verdade, pois a verdade os libertará. Não há separação. Não entre si, não de Deus e não de nada que existe.

Repetirei esta verdade uma e outra vez nestas páginas. Esta observação a farei uma e   outra vez. Atuem como se não estivessem separados de nada e de ninguém e amanhã sanarão seu mundo. Este é o maior segredo de todos os tempos. É a resposta que o  homem procurou durante milênios. É a solução pela qual trabalhou, a revelação pela que orou.

Ajam como se não estivessem separados de nada e sanarão o mundo. Compreendam que se trata de Agir COM o poder, não SOBRE ele.

- Obrigado, já compreendi. Então, retrocedendo, foram as mulheres quem primeiro tiveram o poder sobre os homens e agora é o contrário. 


- Os homens inventaram o demónio para tirar esse poder das mulheres das tribos ou das líderes do clã?

- Sim. Utilizavam o temor, porque era a única arma que tinham.

Repito-o, a situação não mudou muito. Os homens fazem isso na atualidade. Em ocasiões, inclusive antes de ter apelado à razão, os homens empregam o medo, em particular, se forem os homens mais poderosos e fortes. (Ou o país maior e forte.) Às vezes parece estar enraizado nos homens. Parece celular. O poder é direito. A força é poder.


- Sim. Isto tem sido a forma desde que derrubaram o matriarcado. Como sair disso?

- É isso que trata esta curta história. 

- Então, continue, por favor.


- O que tinham que fazer os homens para obter o controle durante o período do matriarcado era, não convencer às mulheres de que aos homens lhes deveria ser dado mais poder  sobre suas vidas, e sim convencer outros homens disto.

Apesar de tudo, a vida transcorria tranquilamente e havia coisas piores em que os homens podiam fazer para passar o dia, do que Simplesmente desempenhando algum trabalho   físico para se valorizarem e depois ter sexo. Portanto, não era fácil para os homens, que  não tinham poder, convencer outros homens sem poder, que procurassem o tal poder.

Isto foi assim até que descobriram o medo.

O medo era algo com o que as mulheres não tinham contado.


Este temor se iniciou com as sementes da dúvida, semeadas pelos homens mais descontentes. Em geral, estes homens eram os menos "desejáveis"; os homens sem músculos, singelos e, portanto, aqueles aos que as mulheres davam menos atenção.


- Suponho que devido a isto, suas queixas foram consideradas como ira nascida da  frustração sexual.

- Isso é correto. Esses homens insatisfeitos tinham que empregar a única arma que tinham. Portanto, fizeram com que surgisse o temor das sementes da dúvida. E se as mulheres estavam equivocadas? Perguntaram. E se sua forma de dirigir o mundo não era a melhor?  E se estavam conduzindo a toda a sociedade, a toda a raça, para a aniquilação segura?

Isto era algo que muitos homens não podiam imaginar. Depois de tudo, acaso as mulheres não tinham uma linha direta com a Deusa? Acaso não eram réplicas exatas da Deusa?

Acaso a Deusa não era boa?

O ensino era tão poderoso, tão enraizado, que os homens não tiveram alternativa senão inventar o diabo, a Satanás, para rebater a bondade ilimitada da Grande Mãe imaginada e adorada pelas pessoas do matriarcado.


- Como conseguiram convencer a alguém de que existia algo assim como o "diabo"?

- Algo que toda sua sociedade entendia era a teoria da "maçã podre". Inclusive as mulheres viam e sabiam, de acordo com sua experiência, que algumas crianças Simplesmente se tornavam "maus", sem importar o que fizessem. Especialmente, como todos sabiam, a criança do sexo masculino, que não podia ser controlada.

Assim se criou o mito.

Um dia, o mito se apresentou e a Grande Mãe, a Deusa de Deusas, deu a luz a um menino que não era bom. Sem importar tudo o que a Mãe tentou, o menino não era bom.

Finalmente, ele lutou contra sua mãe para lhe tirar o trono.

Isto era muito, inclusive para uma mãe amorosa e que perdoa. O menino foi banido para sempre; entretanto, continuou apresentando-se com disfarces inteligentes, em ocasiões inclusive apresentando-se para Grande Mãe.

Este mito foi a base para que os homens perguntassem: "Como sabemos que a Deusa a quem adoramos é uma Deusa? Poderia ser o menino mau, agora crescido e que deseja nos enganar".

Com isto, os homens conseguiram que outros homens se preocupassem e que depois se zangassem porque as mulheres não levavam a sério suas preocupações, por isso logo se rebelaram.

Assim acreditou-se no ser que vocês chamam Satanás. Não foi difícil criar um mito a respeito de uma "criança ruim", tampouco foi difícil convencer inclusive às mulheres do clã a respeito da possibilidade da existência de tal criatura. Tampouco foi difícil que todos aceitassem que a criança ruim era do sexo masculino. Acaso os homens não pertenciam ao sexo inferior?


Este recurso se utilizou para estabelecer um problema mitológico. Se a "criança ruim" era do sexo masculino, se o "ser mau" era masculino, quem poderia dominá-lo? Com segurança, não uma Deusa feminina. Os homens disseram inteligentemente que quando se tratava de assuntos de sabedoria e perspectiva, de claridade e de compaixão, de planejamento e de pensamento, ninguém duvidava da superioridade feminina. Entretanto, em  assuntos  de força bruta, acaso não necessitavam dos homens?

Anteriormente, na mitologia da Deusa, os homens eram Simplesmente consortes, companheiros das mulheres, que atuavam como serventes e satisfaziam seu desejo de celebração luxuriosa da magnificência de sua Deusa.

Não obstante, agora se necessitava um homem que pudesse fazer mais; um homem que pudesse proteger também à Deusa e derrotar o inimigo. Esta transformação não ocorreu de um dia para outro, a não ser através de muitos anos. Em forma gradual, muito gradual, as sociedades começaram a considerar o consorte masculino também como ao protetor masculino em suas mitologias espirituais, pois agora que havia alguém para proteger à Deusa, dito protetor era necessário, obviamente.

Não foi uma mudança total do homem como protetor, ao homem como casal igual, agora junto à Deusa. O Deus masculino se criou e, em um tempo, os Deuses e as Deusas governaram juntos na mitologia.

Logo, de forma gradual, aos Deuses foram dadas funções mais importantes. A necessidade de amparo, de fortaleza, começou a suprir as necessidades de sabedoria e amor.

Nasceu uma nova espécie de amor nestas mitologias. Um amor que protegia com força bruta. Era também um amor que cobiçava o que protegia; isto é, sentia ciúmes de sua Deusa; que agora não satisfazia Simplesmente seus desejos femininos, mas sim lutava e morria por elas.

Começaram a surgir mitos a respeito de Deuses com enormes poderes, que brigavam, que lutavam. De Deusas de uma beleza indescritível. Assim nasceu o Deus ciumento.


- Isto é fascinante.

- Espere, estamos chegando ao final, mas ainda há algo mais.

Não transcorreu muito tempo antes que o ciúme dos Deuses se enfocasse não só nas Deusas, mas também em todas as criações em todos os reinos. Será melhor que o  amemos, disseram estes Deuses ciumentos, que não amemos a nenhum outro Deus nem a ninguém mais!

Após isso, os homens eram a espécie mais poderosa e os Deuses eram os homens mais poderosos, ficava pouco espaço para a discussão, com esta nova mitologia.

Começaram a surgir histórias a respeito daqueles que discutiam e perdiam. Nasceu o Deus da ira. Logo, mudaram toda a ideia a respeito da Divindade. Em lugar de ser a fonte de todo o amor; converteu-se na fonte de todo o temor.

Um modelo de amor que era principalmente feminino (o amor tolerante e constante de uma mãe por seu filho e, inclusive de uma mulher por seu homem não muito brilhante, mas ao menos útil) foi substituído pelo amor ciumento e colérico de um Deus exigente e intolerante, que não permitia interferência nem indiferença e que não ignorava nenhuma ofensa.


O sorriso da Deusa divertida, que experimentava um amor ilimitado e que se submetia com gentileza às leis da natureza, foi substituída pelo semblante sério de um Deus não muito divertido, que proclamava poder sobre as leis da natureza e que limitava o amor.

Este é o Deus que adoram na atualidade e assim é como chegaram aonde se encontram hoje em dia.


- Surpreendente. Interessante e surpreendente. Qual o objetivo que me diz tudo isto?

- É importante que saiba que vocês maquinaram tudo. A ideia de que o "poder é direito" ou de que o "poder é força" nasceu de seus mitos teológicos criados pelos homens.

O Deus de ira, ciúmes e coragem foi imaginário. Não obstante, algo que se imagina durante muito tempo se volta real. Alguns de vocês ainda o consideram real atualmente.

Entretanto, não tem nada que ver com a realidade final ou com o que na verdade está acontecendo aqui.


- E o que é isso?

- O que acontece é que sua alma deseja a experiência suprema de si mesmo que pode imaginar. Veio aqui para esse propósito, para realizar-se (isto é fazer-se real) em sua experiência.

Então descobriu os prazeres da carne, não só o sexo, mas também todo tipo de prazeres, e ao ceder ante estes prazeres, em forma gradual esqueceu os prazeres do espírito.

Estes também são prazeres, prazeres maiores que os que o corpo pode lhes proporcionar. Entretanto, a alma esqueceu isto.


- De acordo, agora nos afastamos de toda a história e retornamos a algo que Você tratou anteriormente neste diálogo. Poderia falar de novo sobre este tema?

- Na verdade não estamos afastando da história. Tratamos tudo ao mesmo tempo. Como pode ver, é na verdade muito simples. O propósito de sua alma, o motivo pelo qual chegou ao corpo, é para ser e expressar Quem Realmente É. A alma deseja fazer isto; deseja conhecer-se e conhecer sua própria experiência.

Este desejo de conhecer é vida buscando ser. Isto é Deus, que escolhe expressar-se. O Deus de suas histórias não é o Deus que realmente é. Esse é o ponto. Sua alma é a ferramenta através da qual Eu expresso e experimento Meu Ser.


- Isso não limita muito Sua experiência?

- Limita, mas depende. Isso depende de vocês. Vocês chegam a ser a expressão e a experiência de Mim, em qualquer nível que escolham. Houve pessoas que escolheram expressões muito grandiosas. Não houve ninguém maior que ao Jesus, o Cristo, embora tenha havido outros que foram igualmente grandes.                                                                                             


- Cristo não é o exemplo supremo? Não é Deus convertido em homem?


- Cristo é o exemplo supremo. Simplesmente, não é o único exemplo para alcançar o estado superior. Cristo é Deus feito homem. Simplesmente não é o único homem feito de Deus.

Todo homem é "Deus feito Homem". Você sou Eu, expresso em sua forma atual.  Entretanto, não se preocupe por limitar-me nem a respeito de como isso me limita. Eu não estou limitado e nunca estive. Acredita que vocês são a única forma que eu escolhi?  Acredita que são as únicas criaturas que impregnei com Minha Essência?

Digo que estou em cada flor, em cada arco íris, em cada estrela no céu e em tudo o que há em cada planeta que gira ao redor de cada estrela.

Sou o murmúrio do vento, o calor de seu sol, a individualidade incrível e a perfeição extraordinária de cada floco de neve.

Sou a majestade no voo das águias e a inocência do gamo no campo; a coragem dos leões e a sabedoria dos anciões.

Não estou limitado às formas de expressão vista só em seu planeta. Não sabem Quem Eu Sou, só pensam que sabem. Entretanto, não pensam que Quem Sou está limitado a vocês ou que Minha Essência Divina, este grande Espírito Santo, não foi dada só a vocês. Isso seria um pensamento arrogante e mal informado.

Meu ser está em tudo. Tudo. A Universalidade é Minha Expressão. A Totalidade é Minha Natureza. Não há nada que Eu Não Seja nem algo que Eu Não Possa Ser.

Meu propósito ao criá-los, Minhas criaturas benditas, foi ter uma experiência por Mim como  o Criador de Minha Própria Experiência.

Algumas pessoas não entendem isso. Cabe a nós compreende-las.

O único aspecto de Deus que somente uma criatura muito especial poderia criar o aspecto de Mim Mesmo como o Criador. Eu não sou o Deus de sua Mitologia, nem Sou Eu a Deusa. Eu sou o Criador, Que cada qual Cria.

Da mesma maneira escolho conhecer a Mim mesmo em Minha própria Experiência. Da mesma forma que Eu conheço Minha perfeição no design através de um floco de neve, Minha impressionante beleza através de uma rosa, assim também conheço Meu poder criativo através de vocês.

Dei-lhes a habilidade para criar conscientemente sua experiência, que é a habilidade que Eu tenho. Através de vocês, posso conhecer cada um de Meus aspectos. A perfeição dos  flocos de neve, a assombrosa beleza da rosa, a coragem dos leões, a majestosidade das águias, todo isso reside em vocês. Em vocês coloquei todas essas coisas e uma coisa mais: a consciência de estar conscientes disto.

Assim chegaram a ter consciência de sua própria identidade. Por isso lhes dei o grande  dom, porque estiveram conscientes de que são vocês, que é com exatidão o que Eu Sou.

Sou Eu Mesmo, consciente de que Eu Sou Eu Mesmo. Isto é o que significa a frase, Eu Sou Isso Que Sou.

Vocês são essa Parte de Mim que é a consciência, experimentada.


O que vocês experimentam (e o que Eu experimento através de vocês) sou Eu, me criando. Estou no ato contínuo de me criar.


- Isso significa que Deus não é uma constante? 

- Isso significa que Você não sabe o que Você vai ser no momento seguinte?


- Como posso sabê-lo? 

- Vocês ainda não decidiram! Permita-me esclarecer isto.


- Eu estou decidindo tudo isto?

- Sim. Vocês São Eu, escolhendo ser o Que Eu Sou e escolhendo o que Eu vou Ser.

Todos vocês, coletivamente, estão criando isso. Fazem-no em uma base individual, quando cada um de vocês decide Quem É e experimenta isso e o fazem de maneira coletiva, como ser coletivo co-criativo que são.

Eu sou a experiência coletiva do que Vocês São. Não sabe quem vai ser no momento seguinte?
Eu era feliz me um instante atrás. É claro que sei. Já conheço todas suas decisões,  portanto, sei Quem Sou, Quem Sempre Fui e Quem Sempre Serei.


- Como pode saber o que vou escolher ser, fazer e ter no seguinte momento, muito menos o que toda a raça humana vai escolher?

- Simples. Já fizeram a escolha. Tudo o que vão ser, fazer ou ter, já o fizeram. Estão fazendo agora!

Compreende? Não existe o tempo.

- Isto também já discutimos anteriormente. Vale a pena repassá-lo agora.

Sim. 

Explique-me de novo como funciona isto.

- O passado, o presente e o futuro são conceitos que vocês construíram, realidades que inventaram para criar uma circunstância dentro da qual emolduraram sua experiência presente. De outra maneira, todas suas (Nossas) experiências seriam ao mesmo tempo.

Na verdade é assim, pois acontecem ao mesmo "tempo", só que vocês não sabem. Colocaram-se em uma coberta de percepção que bloqueia a Realidade Total.

Expliquei isto com detalhe no Livro 2. Seria bom que lesse esse material de novo para  gravar o que estamos dizendo aqui.

O ponto que explico aqui é que tudo está acontecendo ao mesmo tempo. Tudo. Portanto, sim, sei o que "vou ser", o que "sou" e o que "fui". Sempre sei. Isto é, de todas as formas.

Não há forma em que possam me surpreender.


Sua história, todo o drama mundial, criou-se para que soubessem Quem São em sua  própria experiência. Também projetado para ajudá-los a esquecer Quem São, para que pudessem recordar Quem São uma vez mais e criá-lo.


- Porque não posso criar quem sou, se já estou experimentando quem sou. Não posso criar  ter uma estatura de 1.83 metros, se já medir 1.83. Teria que ter uma estatura menor de 1.83 ou, ao menos, pensar que tenho.

- Exatamente. Compreendeu perfeitamente. Como é o desejo maior da alma (Deus) experimentar-se como O Criador e como tudo já foi criado, não temos outra opção que encontrar uma maneira para esquecer tudo a respeito de Nossa criação.


- Surpreende-me que encontramos uma maneira. Tentar "esquecer" que nós somos todos  Um e que o Um de nós o qual somos, é Deus, deve ser como tentar esquecer que um elefante rosa está na sala. 
Como podemos ser tão esquecidos?

- Mencionaste a razão secreta de toda a vida física. É a vida no físico o que os fascina e os faz esquecer adequadamente, porque depois de tudo, é uma aventura extraordinária!


- O que utilizamos aqui para nos ajudar a esquecer é o que alguns de vocês chamariam o Principal Prazer.

- A natureza suprema de todo prazer é que o aspecto do prazer que os faz criar Quem São Realmente em sua experiência aqui, neste momento e criar uma e outra vez de novo Quem É no nível superior seguinte de magnificência. Esse é o prazer supremo de Deus.

A natureza inferior de todo prazer é essa parte do prazer que os faz esquecer Quem São Realmente. Não condenem a natureza inferior, porque sem ela, não poderiam experimentar a superior.


- É quase como se os prazeres da carne fizessem que a princípio esquecêssemos Quem Somos, para depois transformar-se no meio através do qual recordamos!

- Já entendeu. Acaba de dizer. O emprego do prazer físico como um meio para recordar Quem São se consegue elevando, através do corpo, a energia básica de toda a vida.

Esta é a energia que ocasionalmente chamam "energia sexual" e se eleva ao longo da coluna interior de seu ser, até que alcance a área que chamam o Terceiro Olho. Esta é a área que se encontra exatamente detrás da testa, entre e ligeiramente acima dos olhos. Ao elevar a energia, fazem que corra através de todo seu corpo. É como um orgasmo interior.


- Como se faz isto? Como o faz?

- Você “Imagina”. Quero dizer isso, assim como o disse. Literalmente, "Imagina" a via interior do que chamaram seus "chacras". Uma vez que a energia da vida se eleva repetidamente, as pessoas adquirem um gosto por esta experiência, assim como adquirem o desejo pelo sexo.

A experiência da energia elevada é muito sublime. Com rapidez se converte na experiência que quase todos desejam. Entretanto, nunca perdem por completo seu desejo de diminuir a energia (pelas paixões básicas) nem devem tentar. Porque o superior não pode existir sem  o inferior em sua experiência, como os assinalei em muitas ocasiões. Uma vez que  chegam ao superior, devem retornar ao inferior, para experimentar de novo o prazer de mover-se para o superior.

Este é o ritmo sagrado de toda a vida. Fazem isto não só movendo a energia ao redor, no interior de seu corpo. Também o fazem movendo a energia maior no interior do Corpo de Deus.

Encarnam-se como formas inferiores e logo evoluem em estados superiores de consciência. Simplesmente, elevam a energia no corpo de Deus. Vocês são essa energia.

Quando alcançam o estado superior, experimentam-no plenamente e logo decidem o que desejam experimentar depois e onde escolhem ir ao Reino da Relatividade, para experimentá-lo.

Podem desejar experimentar de novo que se convertem em seu Eu (na verdade é uma grande experiência) e assim podem começar tudo de novo na Roda Cósmica.


- Isto equivale a "roda kármica"?

- Não. Não existe a "roda kármica". Não da forma que a imaginaram. Muitos de vocês imaginam que se encontram, não em uma roda, e sim em uma rotina, na qual estão  pagando as dívidas das ações passadas e tentando com coragem e não incorrer em nenhuma nova dívida. Isto é o que alguns de vocês chamam a "roda kármica". Não é muito diferente de algumas de suas teologias ocidentais, porque em ambos os paradigmas são considerados como pecadores indignos, que procuram obter a pureza para mover-se para o próximo nível espiritual.

Por outro lado, a experiência que aqui descrevo e que chamo de Roda Cósmica, porque não há nada indigno nem pagamento de dívidas nem castigo nem "purificação". A Roda  Cósmica descreve Simplesmente a realidade final ou o que poderiam chamar a cosmologia do universo.

É o ciclo da vida ou o que em ocasiões nomeio de O Processo. É uma frase que descreve a natureza sem princípio nem fim das coisas; o caminho continuamente vinculado com o todo de tudo, no que a alma viaja alegre pela eternidade.

É o ritmo sagrado de toda a vida, pelo qual movem a Energia de Deus.


- Uau! Nunca me tinham explicado isso com tanta simplicidade! Acredito que nunca tinha entendido tudo isto com tanta clareza.

- A transparência é o que veio aqui experimentar. Esse foi o propósito deste diálogo.  Portanto, me dá prazer que a esteja obtendo.

Na verdade, não existe estágio "mais baixo" nem "mais alto" na Roda Cósmica. 


- Como poderia existir? É uma roda, não uma escada.

- Isso é excelente. É uma imaginação e uma compreensão excelente. Portanto, não condenem isso que chamam de instintos inferiores, básicos e animais do homem, abençoe- os, honrem-nos como o atalho através do qual e pelo qual encontrarão o caminho de volta a casa.




- Isto aliviará a muitas pessoas de muita culpa devido ao sexo.

- Por isso digo, joguem, joguem, joguem com o sexo e com toda a vida!

Mesclem o que chamam sagrado com o sacrilégio, pois até que considerem seus altares como o lugar fundamental para o amor e seus dormitórios como o lugar fundamental para a adoração, não compreenderão nada.

Pensam que o "sexo" está separado de Deus? Digo então: estou em seu dormitório todas  as noites!

Vão em frente! Misturem o que chamam profano, com o profundo, para que possam compreender que não existe diferença e experimentem o TODO como UNO. Então, quando continuarem evoluindo, não considerarão abandonar o sexo, a não ser Simplesmente desfrutá-lo no nível superior, porque tudo na vida é S.E.X. Synergistic Energy eXchange (Intercâmbio Sinérgico de Energia).

Se entenderem isto sobre o sexo, compreenderão isto a respeito a tudo na vida. Inclusive ao final da vida, o que chamam "morte". No momento de sua morte, não se verão como se deixassem a vida, e sim Simplesmente a desfrutarão em um nível superior.

Quando ao fim compreenderem que não há separação no Mundo de Deus (isto é, nada que não seja Deus), então, finalmente, esquecerão desta invenção do homem que chamam Satanás.

Se Satanás existir, existe como todos os pensamentos que tiveram que separação de Mim. Não podem estar separados de Mim, porque Eu Sou Tudo O Que Há.

Os homens inventaram o diabo para atemorizar as pessoas para que fizessem o que eles desejavam, sob a ameaça da separação de Deus se não o fizessem. A condenação, de ser jogados no fogo eterno do inferno, foi a tática final do temor. Não obstante, já não é necessário que temam, porque nada pode nem poderá separar-los de Mim.

Vocês e Eu somos Um. Não podemos ser outra coisa, se Eu Sou o Que Sou: Tudo o Que Há.

Por que iria condenar-Me? Como o faria? Como poderia me separar de Mim, quando Meu Ser é Tudo o Que Há e não há nada mais?

Meu propósito é evoluir, não condenar; crescer, não morrer; experimentar, não deixar de experimentar. Meu propósito é Ser, não deixar de Ser.

Não tem nenhuma maneira de me separar de vocês nem de nada mais. O "inferno" é Simplesmente não saber isto. A "salvação" é saber e compreender totalmente. Agora estão salvos. Já não precisam preocupar-se com o que vai acontecer-lhes "depois da morte".

( CONTINUAÇÃO EM ( "O QUE ACONTECE QUANDO MORREMOS? " )

O QUE É REALMENTE A TRISTEZA, IRA, INVEJA, MEDO E O AMOR - CONVERSAS COM DEUS 3

Excertos retirados do livro Conversas com Deus por Neale Waslch

( página 21 á página 29 )


- Por favor, me fale sobre as cinco emoções naturais, eu gostaria de ouvir de novo, porque esqueci muito do que me ensinou Elisabeth.


- A Tristeza é uma emoção natural. É a parte de você que permite se despedir quando não deseja dizer adeus; expressar (expulsar, tirar) a tristeza dentro de si devido à experiência de qualquer tipo de perda. Pode ser a perda de um ser amado ou a perda de uma lente de contato.

Quando se permite expressar sua aflição, libera-se dela. 
As crianças que tem permissão para estar tristes quando se sentirem tristes se sentem muito mais conformados em relação à tristeza quando são adultos e, portanto, geralmente passam por esse período de tristeza com muita rapidez.

As crianças que lhes dizem "Não chore", sentem dificuldade em chorar quando são adultos.

Depois de tudo, durante toda sua vida lhes dirão que não chorem. Portanto, reprimem sua aflição.

A aflição que se reprime em forma contínua se converte em depressão crônica; uma emoção muito pouco natural.

As pessoas matam devido à depressão crônica; iniciam guerras e têm arruinado nações.


A ira é uma emoção natural. É a ferramenta que tem e que te permite dizer "Não, obrigado". Não tem que ser abusiva e nunca tem que machucar a outros.

Quando é permitido que as crianças expressem sua ira, mostram uma atitude muito saudável a respeito desta, quando são adultos e, portanto, geralmente atravessam por sua ira com muita rapidez.

As crianças que lhes fazem sentir que sua ira não é correta, que é ruim expressá-la e que não deveriam senti-la, terão dificuldades de controlar de forma apropriada sua ira quando forem pessoas adultas. A ira que se reprime continuamente se converte em cólera, uma emoção muito pouco natural.

Pessoas matam devido à cólera; iniciam guerras e têm arruinado nações.


A inveja é uma emoção natural. É a emoção que faz que uma criança de cinco anos deseje poder alcançar o trinco da porta, como sua irmã, ou andar em bicicleta. A inveja é uma emoção natural que faz com que deseje fazê-lo de novo, se esforçar mais, continuar lutando até obter o êxito. É muito saudável sentir inveja, muito natural. Quando As crianças tem permissão para expressar sua inveja, mostram uma atitude muito sã durante seus anos de adultos e, portanto, quase sempre atravessam pela inveja com muita rapidez.

Crianças educadas em que sentir que a inveja não é boa, que é ruim expressá-la e que nem sequer deveriam senti-la, lhes dificultará dirigi-la em forma apropriada quando forem adultos.

A inveja reprimida em forma contínua se converte em ciúmes, que é uma emoção muito pouco natural.

Pessoas matam devido a ciúmes; iniciam guerras e têm arruinado nações.


O Medo é uma emoção natural. Todos os bebês nascem com dois temores unicamente: o medo de cair e o temor aos ruídos fortes. Todos os outros temores são respostas aprendidas, proporcionadas as crianças por seu meio ambiente, ensinadas por seus pais. O propósito do temor natural é desenvolver um pouco de preocupação. A precaução é uma ferramenta que ajuda a manter vivo o corpo. É um fruto do amor. O amor pelo Eu.

As crianças que foram ensinadas que o Medo não é correto, que é ruim expressá-lo e que nem sequer deveriam senti-lo, terão dificuldades de controlá-lo de forma apropriada quando forem adultos.

O Medo que se reprime continuamente se converte em pânico, que é uma emoção muito pouco natural.

As pessoas matam devido ao pânico; iniciam guerras e têm arruinado nações.


O amor é uma emoção natural. Quando a uma criança é permitido expressá-lo e recebê-lo, em forma normal e natural, sem limitação nem condição, sem inibição nem vergonha, ele não requer de nada mais, porque a alegria do amor expresso e recebido desta maneira é suficiente. Entretanto, o amor que foi condicionado, limitado, regido por regras e regulamentos, por rituais e restrições, controlado, manipulado e reprimido, converte-se em algo muito pouco natural.

As crianças que foram ensinadas a sentir que seu amor natural não é bom, que é ruim expressá-lo, e que nem sequer deveriam senti-lo, terão dificuldades em controlá-lo de forma apropriada quando forem pessoas adultas.

O amor que se reprime em forma contínua se converte em atitude possessiva, que é uma emoção muito pouco natural.

As pessoas matam devido a uma atitude possessiva, iniciam guerras e têm arruinado nações.


As emoções naturais, quando se reprimem, produzem reações e respostas não naturais. Quase todas as pessoas reprimem as emoções mais naturais. Apesar disso, elas são suas amigas. Estes são seus dons. Elas são suas ferramentas divinas com as que podem criar sua experiência.


Recebem estas ferramentas ao nascer e são para ajudá-los se ajustar na vida. 


- Por que a maioria das pessoas reprime estas emoções?

- Ensinaram-lhes às reprimir, disseram-lhes que o fizessem. 

- Por quem?

- Seus pais, as pessoas que os criaram.

-  Por quê? Por que fizeram isso?

- Porque seus pais os ensinaram e os seus avós ensinaram a eles. 

- Sim, sim, mas, por quê? Por que continua?

- O que continua é que a paternidade é exercida por pessoas não adequadas. 

- O que quer dizer? Quem são as "pessoas não adequadas"?

- A mãe e o pai.

- A mãe e o pai são as pessoas inadequadas para criar os filhos?

- Sim, quando os pais são jovens. Sim, na maioria dos casos. Na verdade, é um milagre que muitos deles façam o bom trabalho que assumiram.

Ninguém está mais mal equipado para educar as crianças que os pais jovens. E ninguém sabe disto, a propósito, melhor do que seus pais.

A maioria dos pais assume a tarefa da paternidade com muito pouca experiência da vida. Estavam com dificuldades se auto-educando. Ainda procuram respostas e indícios.

Nem sequer descobriram a si mesmos; não obstante, tratam de guiar e de proporcionar descobrimento a outros, inclusive mais vulneráveis que eles. Nem sequer se definiram a si mesmos e lhes confiam o ato de definir a outros.

Ainda tratam de superar quão “mau” seus pais os definiram.

Nem sequer eles descobriram Quem São e tentam lhe dizer Quem Você É. A pressão é muito grande para eles para fazê-lo bem; nem sequer podem dirigir "corretamente" suas vidas. Portanto, dirigem mal: suas vidas e as vidas de seus filhos.

Se tiverem sorte, os danos a seus filhos não serão muitos. Os filhos superarão essa “educação equivocada”, embora talvez não antes de transmitir essa “educação equivocada” a seus filhos.

Quase todos vocês obtêm a sabedoria, a paciência, a compreensão e o amor para serem pais maravilhosos somente depois que terminam seus anos de paternidade.



- Por que isto? Não o compreendo. 
Dou-me conta que Sua observação é correta em muitos casos, mas, por que é assim?


- Porque jovens que fazem crianças nunca tiveram intenção de criar crianças. Sua idade para educar crianças deveria começar na verdade quando terminarem a idade fértil.


- Ainda me sinto um pouco perdido aqui.


- Os seres humanos são biologicamente capazes de gerar filhos quando eles mesmos são ainda meninos, o qual possivelmente lhes surpreenda sabê-lo, à maioria de vocês, pois o são (crianças) durante 40 ou 50 anos.


- Os seres humanos são "crianças" durante 40 ou 50 anos?

- Sim, de certa forma, sim. Sei que é difícil ter isto como verdade, mas olhe a seu redor. Possivelmente os comportamentos de sua raça poderiam ajudar a demonstrar Meu ponto de vista.

A dificuldade é que em sua sociedade, vocês dizem aos 21 anos que são "maiores" e estão preparados para enfrentar o mundo. A isto terá que acrescentar o fato de que muitos de vocês foram criados por mães e pais que não tinham mais de 21 anos de idade quando começaram a criá-los. Pode começar a compreender o problema.

Se acaso esperasse que as pessoas que dão vida As crianças também os educassem, não poderiam lhes dar vida até que tivessem cinquenta anos!

Esperava-se que o dar a vida fora uma atividade dos jovens, cujos corpos estão bem desenvolvidos e fortes. Esperava-se que o criar filhos fosse uma atividade dos mais velhos, cujas mentes estão bem desenvolvidas e fortes.

Em sua sociedade insistiram em fazer responsáveis por criar as crianças, às pessoas que lhes deram a vida, com o resultado de que, não só dificultaram muito o processo da paternidade, mas também distorceram muitas das energias que rodeiam ao ato sexual.



- Poderia explicá-lo? 

- Sim.

Muitos seres humanos observaram o que Eu observei aqui. Isto é, que muitos seres humanos, possivelmente a maioria, não são realmente capazes de criar crianças quando são capazes de tê-los. Entretanto, ao descobrir isto, os humanos escolheram exatamente a solução errônea.

Em lugar de permitir que os jovens desfrutem do sexo, e se produzirem filhos, que as pessoas mais velhas os eduquem, dizem a seus jovens que não façam sexo até que estejam preparados para aceitar a responsabilidade de criar os filhos. Fizeram entender que seria "errado" para eles ter experiências sexuais antes desse tempo e, desta maneira, criaram um tabu ao redor do que se tentava deixar fora, uma das celebrações mais prazerosas da vida.

É óbvio, que a esse tabu de educação dá-se pouca atenção, por um bom motivo: é totalmente antinatural obedecê-lo.

Os seres humanos desejam casar e copular logo que sentem o sinal interior que lhes indica que estão preparados. Esta é a natureza humana.

Entretanto, seus pensamentos a respeito de sua própria natureza estarão mais relacionados com o que vocês, como pais, disseram sobre o que sentem em seu interior. Seus filhos os buscam, para que lhes digam o que é a vida.

Quando sentirem suas primeiras necessidades de olhar-se às escondidas, de tocar inocentemente um no outro, de explorar as "diferenças" mútuas, observam-nos em busca de sinais sobre isto. É "boa" esta parte de sua natureza humana? É "ruim"? É permitido? Deve- se reprimir? Pode ser exposto? Desencorajado?


Observa-se que o que muitos pais disseram a seus filhos sobre esta parte de sua natureza humana tem sua origem em muitas coisas: no que lhes disseram; o que diz sua religião; no que pensa sua sociedade, em tudo, exceto na ordem natural das coisas.

Na ordem natural de sua espécie, a sexualidade se apresenta entre os 9 e os 14 anos. Dos 15 em adiante, está muito presente e se expressa em quase todos os seres humanos.

Assim se inicia uma corrida contra o tempo, com os meninos correndo em disparada para a liberação plena de sua própria e alegre energia sexual e os pais apressando-se para detê- los.

Os pais necessitam toda a assistência e todas as alianças que possam encontrar nesta luta, porque, como se indicou, pedem a seus filhos que não façam algo que é parte de sua natureza.

Assim, os adultos inventaram toda espécie de pressões familiares, culturais, religiosas, sociais e econômicas, assim como restrições e limitações para justificar suas demandas pouco naturais a seus filhos. As crianças cresceram aceitando que sua própria sexualidade não é natural. Como algo que é "natural" pode ser tão vergonhoso, sempre evitado, tão controlado, mantido a raia, restringido, freado e negado?


- Considero que exageras um pouco nisto. Não acredita que está exagerando?


- Realmente? O que você acha do impacto em uma criança de quatro ou cinco anos, quando seus pais nem sequer utilizam o nome correto para certas partes de seu corpo? O que dizem as crianças a respeito de seu nível de aceitação sobre isso e qual consideram que deva ser o seu?

Uh...

-  Sim... "uh...”, na verdade.

"Não empregamos essas palavras", como minha avó estava acostumada dizer. É só que "pipi" e "bumbum" soam melhor.

- Só porque têm muita "negatividade" ligada aos nomes reais dessas partes do corpo que estranhamente, utilizam essas palavras em conversas normais.

É óbvio, na idade jovem, as crianças não sabem por que seus pais sentem desta maneira, mas sim só ficam com a impressão, a impressão marcante de que certas partes do corpo "não são boas" e que algo relacionada com elas não só é vergonhosa, mas também é "má".

À medida que as crianças crescem e chegam à adolescência, compreendem que isto não é verdade, mas então lhes falam claramente sobre a ligação entre gravidez e a sexualidade e a respeito de como terão que educar as crianças, por isso agora têm outro motivo para sentir que a expressão sexual é "má" e assim se completa o círculo.

Isto causou confusão em sua sociedade, assim como estragos. Isto sempre é o resultado de brincar com a natureza.

Criaram a vergonha sexual, a repressão e o pudor, o que conduziu à inibição sexual, à disfunção e à violência.

Como sociedade, sempre estarão inibidos por isso que os envergonha; sempre serão disfuncionais com comportamentos que reprimiram e sempre atuarão com violência, como protesto porque lhes fazem sentir vergonha por algo que em seu coração sabem que não deveriam senti-la.


- Então, Freud tinha razão quando disse que grande parte da ira na espécie humana poderia estar relacionada com a sexualidade (uma ira profunda por ter que reprimir os instintos físicos básicos e naturais, assim como os interesses e as necessidades.

- Mais de um de seus psiquiatras se aventurou o bastante. O ser humano está zangado porque sabe que não deve sentir vergonha por algo que se sente tão bem e, entretanto, sente culpa e vergonha. Primeiro o ser humano se zanga com o Eu por sentir-se muito bem respeito a algo que se supõe que obviamente é "mau".

Então, quando ao fim compreende que foi vítima do engano, que se supõe que a sexualidade deve ser uma parte maravilhosa, honorável e gloriosa da experiência humana, zanga-se com outros: com os pais, por reprimi-lo; com a religião, por envergonhá-lo; com os membros do sexo oposto, por desafiá-lo e com toda a sociedade, por controlá-lo.

Por último, zanga-se consigo mesmo, por permitir que tudo isto o iniba.

Grande parte desta ira reprimida se canaliza para a construção de valores morais distorcidos e desencaminhados, na sociedade em que agora vivem, uma sociedade que glorifica e honra com monumentos, estátuas, timbre comemorativos, filmes, fotografias e programas de televisão, alguns dos atos de violência mais feios do mundo, mas que oculta ou, pior ainda, que despreza alguns dos atos de amor mais formosos do mundo.

Tudo isto (tudo isto) surgiu que um só pensamento: que as pessoas que têm filhos, têm também a responsabilidade de criá-los.


- Então, se as pessoas que tiverem filhos não são responsáveis por educá-los, quem é? 

- Toda a comunidade, com ênfase especial nas pessoas mais velhas.


- As pessoas mais velhas?


- Nas raças e sociedades mais avançadas, as pessoas mais velhas criam as crianças, alimenta-os, treina-os e lhes transmitem a sabedoria, os ensinos e as tradições de sua raça.

Mais adiante, quando falarmos sobre algumas destas civilizações avançadas, tocarei de novo neste tema.

Em uma sociedade onde não se considera "mau" produzir filhos a uma idade jovem (porque os anciões da tribo os criam e, portanto, não existe um sentido entristecedor de responsabilidade e carga), não existe a repressão nem a violação nem a separação nem a disfunção social e sexual.


- Existem tais sociedades em nosso planeta?


- Sim, embora estejam desaparecendo. Trataram de erradicá-las, ao invés de assimilá-las, porque as consideram bárbaras. No que vocês chamam sociedades não bárbaras, as crianças (as esposas e os maridos) consideram-se como uma propriedade, como posses pessoais. Portanto, as pessoas que têm filhos devem criá-los, porque devem cuidar do que "possuem".

Considera-se que a raiz de muitos dos problemas de sua sociedade é esta ideia a respeito de que os cônjuges e os filhos são posses pessoais, que são "deles".
Mais adiante examinaremos todo este tema da "propriedade", quando explorarmos e discutirmos a vida entre os seres extremamente evoluídos. No momento, só pensem nisto durante um minuto. 

- Qualquer pessoa está emocionalmente preparada para criar aos filhos no momento em que estão fisicamente aptas para tê-los?


- A verdade é que a maioria dos seres humanos não estão equipados para criar As crianças inclusive quando têm 30 e 40 anos e não deve esperar-se que o estejam. Na verdade, não viveram o suficiente como adultos para transmitir uma sabedoria profunda a seus filhos.


- Já escutei isso anteriormente. Mark Twain falou sobre isto. Diz-se que comentou: "Quando eu tinha 19 anos, meu pai não sabia nada. Entretanto, quando eu tinha 35, surpreendeu-me quanto tinha aprendido meu pai".


- Captou com perfeição. Nunca se teve a intenção de que em sua juventude tivessem que ensinar a verdade, a não ser reunir a verdade. 

- Como podem ensinar As crianças uma verdade que ainda não acumularam?


- É óbvio que não podem. Portanto, só lhes dirão a verdade que conhecem, a verdade de outros, a de seus pais, suas mães, sua cultura e sua religião. Só sua própria verdade.

Ainda a estão procurando. Procurarão, experimentarão, encontrarão, fracassarão, formarão, e reformarão sua verdade, sua ideia sobre vocês mesmos, até que tenham permanecido meio século neste planeta ou quase este tempo.

Então, possivelmente ao fim comecem a estabelecer-se com sua verdade. É provável que a verdade maior que aceitem seja que não existe uma verdade constante; essa verdade, como a vida em si, é algo que troca, algo que cresce e evolui. Então, quando pensarem que o processo da evolução se deteve, não se deteve, mas sim na verdade apenas se iniciou.



- Sim, já compreendi isso. Tenho mais de 50 e já cheguei a esse ponto.


- Bem. Agora é um homem sábio, uma pessoa maior. Agora deve criar filhos, ou melhor, ainda, daqui a dez anos. São as pessoas mais velhas as que devem criar As crianças e isso foi o que se tentou.

São as pessoas mais velhas as que conhecem a verdade e a vida; o que é importante e o que não é; o que significa na verdade termos tais como integridade, honestidade, lealdade, amizade e amor.


- Compreendo o explicou aqui. É difícil aceitar, mas muitos de nós logo que deixamos de ser "meninos" e "estudantes", quando já temos filhos próprios e sentimos que temos que começar a ensiná-los. Então supomos que devemos educá-los como ensinaram nossos pais.


- Assim, os pecados do pai passam ao filho, inclusive até a sétima geração. 

- Como podemos mudar isso? Como podemos terminar o ciclo?


- Deixem a educação das crianças nas mãos das respeitáveis pessoas mais velhas. Os pais podem ver seus filhos quando o desejarem, inclusive viver com eles se assim o decidirem, mas não são os únicos responsáveis por seu cuidado e educação. As necessidades físicas, sociais e espirituais das crianças são supridas por toda a comunidade, com a educação e os valores que oferecem as pessoas mais velhas.

Mais adiante em nosso diálogo, quando falarmos sobre outras culturas no universo, veremos alguns novos modelos para viver. Não obstante, estes modelos não funcionarão na forma como têm estruturadas na atualidade suas vidas.


- O que quer dizer?


- Quero dizer que não só na paternidade que estão usando um modelo ineficaz, mas também toda sua forma de vida.

- Uma vez mais, a que se refere?


- Afastaram-se uns dos outros. Separaram suas famílias, desmantelando suas comunidades menores, a favor de cidades enormes. Nestas cidades enormes há mais pessoas, mas menos "tribos", grupos ou clãs cujos membros consideram que sua responsabilidade é incluir responsabilidade para todos. Na verdade, não têm anciões. Não ao alcance da mão.

Ainda pior que afastar-se das pessoas mais velhas, apartaram-nas, marginalizaram-nas, tiraram-lhes seu poder e inclusive se sentem ofendidos por elas.

Sim, alguns membros de sua sociedade se sentem ofendidos pelas pessoas mais velhas que há entre vocês, afirmam que de algum jeito sangram o sistema, exigem benefícios que os jovens têm que pagar com percentagens de seus ganhos cada vez maiores.


- É verdade. Alguns sociólogos predizem uma guerra de gerações, em que se culpará às pessoas mais velhas por requerer cada vez mais, enquanto contribuem cada vez menos.


- Agora existem muito mais cidadãos mais velhos, porque os "baby boomers" (filhos nascidos após a Segunda Guerra Mundial de 1945 a 1952) se aproximam da idade adulta e as pessoas em geral vivem mais tempo.


Entretanto, se as pessoas mais velhas não contribuírem, isto se deve a que não lhes permitiram contribuir. Pediram-lhes que se retirassem de seus trabalhos, quando poderiam lhe proporcionar algum bem à companhia. Pedem-lhes que se retirem de uma participação mais ativa e significativa na vida, justamente quando sua participação poderia dar algum sentido aos procedimentos.

Não só na paternidade, mas também na política, na economia e inclusive na religião, onde as pessoas mais velhas tinham ao menos um ponto de apoio, converteram-se em adoradores da juventude, em uma sociedade que aparta os anciões.

Sua sociedade se converteu em uma sociedade singular e não em uma plural. Isto é, em uma sociedade formada por indivíduos e não por grupos. Ao individualizar e rejuvenescer a sua sociedade, perderam muito de sua riqueza e recursos. Agora carecem de ambos e muitos de vocês vivem em uma pobreza e esgotamento emocionais e psicológicos.


- Perguntarei de novo, há alguma forma em que possamos dar fim a este ciclo?


- Primeiro, reconheçam que é real. Muitos de vocês vivem em negação. 
Muitos de vocês fingem que O QUE É, Simplesmente NÃO É. Mentem para si mesmos e não desejam escutar a verdade, muito menos expressá-la.

Sobre isto falaremos também mais adiante, quando examinarmos as civilizações de seres extremamente evoluídos, porque esta negação, este fracasso de observar e reconhecer isto não é algo insignificante. Se na verdade desejam mudar as coisas, espero que Me escutem.
Chegou o momento de dizer a verdade, singela e simples. Está preparado? 

- Estou. 

- Por isso vim a Ti. Por isso se iniciou toda esta conversação.

Com frequência, a verdade se torna incômoda. Só conforta a aqueles que não desejam ignorá-la. Então, a verdade não só se volta confortante, mas também inspiradora.



- Para mim, todo este diálogo de três partes foi inspirador. Por favor, continue.


- Há alguns bons motivos para sentir-se animado, otimista. Observo que as coisas começaram a mudar. Há mais ênfase entre sua espécie para criar comunidade e formar famílias amplas, mais que em anos recentes. Estão honrando cada vez mais com maior frequência os seus mais velhos, produzindo significado e valor em suas vidas e destas. É um grande passo em uma maravilhosa direção correta.


As coisas estão "mudando". Parece que sua cultura deu esse passo. 

Agora, é seguir em frente.


Não podem fazer estas mudanças em um dia. Por exemplo, não podem mudar toda sua forma de paternidade, que é como se iniciou esta corrente atual de pensamento, de uma só vez. Não obstante, podem trocar seu futuro, passo a passo.

Ler este livro é um desses passos. Este diálogo tocará de novo muitos pontos importantes antes que tenhamos terminado. Essa repetição não será acidental, mas sim é para dar ênfase.

Pediu ideias para a construção de seus amanhãs. Comecemos examinando seus ontens.

( CONTINUAÇÃO EM " O QUE É REALMENTE O PASSADO E O FUTURO / DEUS E O DIABO " )