segunda-feira, 30 de maio de 2016

SER, FAZER, TER - O PARADIGMA DA SOCIEDADE- CONVERSAS COM DEUS 3

 Excertos retirados do livro Conversas com Deus 3 por Neale Walsch 

( página 13 á página 21 )


- Agora,  e como no Livro 1, falámos sobre o paradigma, Ser, Fazer, Ter, e como quase todas as pessoas o mudam.

Quase todas as pessoas acreditam que se "tiverem" alguma coisa (mais tempo, dinheiro, amor ou o que seja), possam finalmente "fazer" algo (escrever um livro, ter um passatempo, sair de férias, comprar uma casa, iniciar uma relação), o que lhe permitirá "ser" algo (feliz, pacífico, contente ou estar apaixonado).


Na verdade, estão revertendo o paradigma Ser, Fazer, Ter. No universo como é na verdade (oposto a como você pensa que é), "o ter" não produz "ser", a não ser justamente o contrário. Primeiro você pode “Ser” algo chamado de "feliz" (ou "conhecedor" ou "sábio" ou "compassivo" ou qualquer outra coisa), logo começa a "Fazer" as coisas desde este ponto  de Ser e logo descobre que o que está fazendo termina te proporcionando as coisas que sempre desejou "Ter".

A maneira de pôr em movimento este processo criativo (e isso é o que é... o processo da criação) é saber o que desejas "ter", se perguntar o que pensa que "seria" se "tivesse" isso e, em seguida, ir diretamente a ser.

Desta maneira, mude a forma em que utiliza o paradigma Ser - Fazer - Ter na verdade, estabeleça-o corretamente e trabalhe com a força criativa do universo, ao invés de contra ela.

Esta é uma forma resumida de expressar este princípio:

Na vida, você não tem que fazer nada. Tudo é questão do que está sendo.

Esta é uma das três mensagens que mencionarei de novo ao final de nosso diálogo. Fecharei o livro com ela.

No momento e para ilustrar isto, imagine uma pessoa que saiba que se ela pudesse, ter um pouco mais de tempo, um pouco mais de dinheiro ou um pouco mais de amor, seria na verdade feliz.

Não capta o vínculo entre, "não ser muito feliz" neste momento, e não ter o tempo, dinheiro ou amor que deseja.

Isso é correto. Por outro lado, a pessoa que está "sendo" feliz parece ter tempo para fazer tudo o que é realmente importante, todo o dinheiro necessário e suficiente amor para que dure toda a vida.

- Descobre que tem tudo o que necessita para "ser feliz”... "sendo feliz"!

- Exatamente. Decidir com antecipação o que escolhe ser, produz isso em sua experiência. "Ser ou não ser. Eis a questão".
Precisamente. A felicidade é um estado mental. É igual a todos os estados mentais, reproduz-se em forma física.

Há uma frase para um ímã de geladeira:

"Todos os estados mentais se reproduzem a si mesmos".

Como pode começar a "ser" feliz, ou "ser" algo que tente ser (mais próspero, por exemplo, ou mais amado), se não tiver o que pensa que necessita para "ser" isso?

Aja como se já tivesse e atrairá a felicidade para si. O que agir como se fosse, nisso se converte.

- Em outras palavras, "Finja, até que o obtenha".


- Sim, um pouco parecido. Só que na verdade não pode estar "fingindo". Suas ações têm que ser sinceras.

Tudo o que fizer, faça  com sinceridade ou você perderá o benefício da ação.

Isto não é porque não "te recompensarei". Deus não "recompensa" nem "castiga", como sabe. A Lei Natural requer que o corpo, a mente e o espírito estejam unidos em  pensamento, palavra e ação, para que o processo de criação funcione.

Não pode enganar a sua mente. Se não for sincero, sua mente saberá. Acaba com qualquer possibilidade de que sua mente possa te ajudar no processo criativo.

É óbvio, pode criar sem sua mente, só que se torna muito mais difícil. Pode pedir a seu corpo que faça algo que sua mente não acredita e, se seu corpo o fizer durante bastante tempo, sua mente começará a esquecer seu primeiro pensamento a respeito disto e criará um Pensamento Novo. Uma vez que tenha um Pensamento Novo a respeito de algo, está  no caminho de criá-lo como um aspecto permanente de seu ser, em lugar de algo que só representava.

Isto é fazer as coisas da maneira mais difícil, e inclusive em tais casos, a ação deve ser sincera. A diferença do que se pode fazer com as pessoas, não se pode manipular o universo.

Aqui temos um equilíbrio muito delicado. O corpo faz algo no que a mente não acredita; entretanto, a mente só adiciona o ingrediente da sinceridade à ação do corpo para que isto funcione.

- Como pode a mente adicionar sinceridade, quando não "acredita" no que está fazendo o corpo?

- Retirando o elemento egoísta do benefício pessoal.

- Como?

A mente possivelmente não possa aceitar com sinceridade que as ações do corpo possam  te proporcionar o que escolhe; não obstante, a mente sabe claramente que Deus proporcionará coisas boas à outra pessoa através de você.

Portanto, o que escolhe para você, dá-o a outra pessoa.

- Poderia repetir isso, por favor?

- É claro.

O que escolhe para si, você dá a outra pessoa. Se escolher ser feliz, fará com que outra pessoa seja feliz. Se escolher ser próspero, faz que outra pessoa seja próspera.

Se escolher mais amor em sua vida, faz que outros tenham mais amor na sua.

Faz isto com sinceridade (não porque procure um benefício pessoal, mas sim porque na verdade deseje que a outra pessoa tenha isso) e todas as coisas que dê, virão a até você.


- Como é isso? Como funciona isso?

- O verdadeiro ato de que você dê algo, faz com que sinta que o tem para dá-lo. Porque não possa dar a outra pessoa algo que não tem agora, sua mente chega a uma nova conclusão, um Pensamento Novo, a respeito de si (isto é, que deve ter isto ou não poderá dá-lo).

Este Pensamento Novo se converte em sua experiência. Começa a "ser" isso. Uma vez que começa a "ser" algo, põe em marcha a máquina de criação mais capitalista no universo, seu Eu Divino. O que está sendo, está criando.

O círculo é completo e criará mais e mais disso em sua vida. Manifestará em sua experiência física.

Este é o maior segredo da vida. O Livro 1 e o Livro 2 foram escritos para te dizer isto. Tudo está ali, com muito mais detalhe.

- Explique-me, por favor, por que a sinceridade é tão importante para dar a outra pessoa o  que escolhe para si.

- Se der a outra pessoa algo, como maquinação ou manipulação com o propósito de obter algo para si, sua mente sabe. Dá o sinal de que você não tem isso. Porque o universo não é outra coisa além de uma máquina copiadora, que reproduz seus pensamentos em forma física, essa será sua experiência. Isto é, continuará experimentando "não o ter", sem  importar o que fizer!

Mais ainda, essa será a experiência da pessoa que tenta dar, e notará que só tenta conseguir algo, que na verdade não tem nada a oferecer, e o fato de dar será um gesto vazio, visto pela superficialidade auto interessada da qual surge.

Isso que tenta atrair o afastará.

Não obstante, quando dá algo a alguém com pureza de coração, porque compreende que o deseja, necessita-o e deve ter, então descobrirá que o tem para dá-lo. Isso é um grande descobrimento.

- Isso é verdade! Na verdade funciona dessa maneira! Lembro-me que em uma ocasião, quando as coisas não andavam muito bem em minha vida, a cabeça aprisionada e pensava que já não tinha dinheiro, que tinha muito pouca comida e que não sabia quando comeria minha próxima refeição ou como pagaria meu aluguel.

Essa mesma noite, conheci um jovem casal no terminal do ônibus. Tinha ido recolher um pacote e estes jovens se encontravam abraçados em uma banca e usavam seus casacos como manta.

Ao vê-los, meu coração foi para eles. Recordei quando era jovem, como era quando fomos meninos, andando por aí, de um lado ao outro. Aproxime-me deles e lhes perguntei se queriam ir a minha casa, sentar-se junto à chaminé, beber um pouco de chocolate quente e talvez abrir o sofá cama e descansar bem durante a noite. Olharam-me com os olhos muito abertos, como crianças em uma manhã de Natal.

Chegamos a minha casa e lhes preparei uma comida. Essa noite, todos comemos melhor  do que já havíamos comido há muito tempo. A comida sempre tinha estado ali. O refrigerador estava cheio. tive que estender a mão e agarrar tudo o que tinha guardado ali. Fritei "tudo o que encontrei no refrigerador" e foi magnífico! Lembro-me que me perguntei. De onde veio toda esta comida?

Na manhã seguinte, servi o café da manhã aos jovens e me despedi. Coloquei a mão no bolso, quando os deixei na estação do ônibus e lhes dei uma nota de vinte dólares.

"Talvez isto ajude", eu disse, abracei-os e os enviei para que seguissem seu caminho. Todo o dia me senti melhor respeito a minha própria situação; melhor dizendo, toda a semana. Essa experiência, que nunca esqueci, produziu uma mudança profunda em meu enfoque e em minha compreensão a respeito da vida.

A partir desse momento, as coisas melhoraram e essa manhã, quando me olhei ao espelho, notei algo muito importante. Eu ainda estou aqui.

- Essa é uma bela história e tem razão. Assim é exatamente como  funciona.  Portanto, quando desejar algo, dá-o. Então, já não o "desejará". Imediatamente experimentará "o ter". A partir desse momento, é só uma questão de grau. Psicologicamente, resultar-te-á muito mais fácil "adicionar", que criar de um nada.

- Sinto que já ouvi aqui algo muito profundo. Pode relacionar isto agora com a segunda parte de minha pergunta? Existe um vínculo?

- O que te proponho é que já tem a resposta a essa pergunta. Neste exato momento vivendo  o pensamento de que não tem a resposta; que se tivesse a resposta teria sabedoria.

Então, aproxima-te de Mim em busca de sabedoria. Entretanto, digo, seja sábio e terá sabedoria.

- Qual é a maneira mais rápida de "ser sábio"? 

- Fazer outra pessoa ser sábia. 

Deseja ter a resposta a esta pergunta? 

Dá a resposta à outra pessoa.

Agora, Eu te formularei a pergunta. Fingirei que "não sei" e você Me dará a resposta.

Como pode a mãe que afasta a seu filho do trânsito amar verdadeiramente ao menino, se o amor significa desejar para a outra pessoa o que ela deseja para si mesmo?

- Não sei.

- Sei que não sabe. Entretanto, se pensasse que sabia, qual seria a resposta?

- Diria que a mãe desejava para o menino o que o menino queria; isto é, permanecer com vida. Diria que o menino não desejava morrer, mas sim Simplesmente, não sabia que ao andar ali entre o trânsito poderia lhe causar a morte. Portanto, ao correr até ali para afastar ao menino, a mãe não privou ao menino da oportunidade de exercitar sua vontade, mas sim Simplesmente ficou em contato com a verdadeira escolha do menino, com seu desejo mais profundo.

- Essa seria uma  boa resposta.

- Se isso for verdade, então Você, como Deus, não faria nada que não fosse evitar que machucássemos  a  nós  mesmos,  porque  nosso  desejo  mais  profundo  não  pode ser querermos machucar a nós mesmos. Não obstante nos machucamos constantemente e Você só permanece sentado e nos observa.

- Sempre estou em contato com seus desejos mais profundos e sempre lhes dou isso.

Inclusive quando fazem algo que lhes causaria a morte, se esse for seu desejo mais profundo, isso é o que obtêm: a experiência de "morrer".

Jamais interfiro em seus desejos mais profundos.

- Quer dizer que quando machucamos a nós mesmos, isso é o que desejamos fazer? Esse é nosso desejo mais profundo?

- Não podem "danificar-se" a si mesmos. São incapazes de ser danificados. O "dano" é uma reação subjetiva, não um fenômeno objetivo. Podem escolher experimentar o "autoflagelo" em qualquer encontro ou fenômeno, mais essa é totalmente sua decisão.

De acordo com essa verdade, a resposta a sua pergunta é: sim, “quando se feriu", foi  porque desejou fazê-lo. Falo em um nível esotérico muito elevado e na verdade, sua pergunta não "vem daí".

No sentido ao que se refere, como um assunto de escolha consciente, diria que não. Cada vez que faz algo que te fira, não foi porque "desejava". O menino que termina atropelado por um carro, porque andava na rua não "queria" (desejava, procurava, escolhia conscientemente) ser atropelado pelo automóvel.

O homem que continua casando-se com o mesmo tipo de mulher (uma que não é adequada para ele), com aparência diferente, não "quer" (deseja, busca, escolhe conscientemente) continuar tendo casamentos “ruins”.

Não poderíamos dizer que a pessoa que se golpeia o polegar com o martelo "queria" essa experiência. Não a desejou, procurou ou escolheu em forma consciente.

Entretanto, todos os fenômenos objetivos são atraídos para si subconscientemente; você cria todos os eventos inconscientemente; atraiu para si toda pessoa, lugar ou coisa em sua vida; foi auto-criada, se assim o desejar, para te proporcionar as condições exatas e perfeitas, a oportunidade perfeita, para experimentar o que desejas experimentar adiante, à medida que evolui.

Nada pode acontecer, digo-lhe que nada pode ocorrer em sua vida, que não seja uma oportunidade precisamente perfeita para que Seja algo ou experimente algo que deseje RESOLVER, CRIAR ou EXPERIMENTAR para ser Quem Realmente É.

- E quem sou na verdade?

- Quem escolheu ser. O aspecto da Divindade que deseje ser; isso é Quem É. Isso pode mudar a qualquer momento. Na verdade, frequentemente muda, de um momento para  outro. Não obstante, se desejas estabelecer sua vida, deixar de se proporcionar uma variedade tão ampla de experiências, há uma forma de fazê-lo. Simplesmente, deixe de mudar de opinião tão frequentemente respeito a Quem É e Quem Escolhe Ser.

- Isso é mais fácil Dizer do que de Fazer!


- Noto que toma essas decisões em níveis muito diferentes. O menino que decide sair à rua e jogar entre o trânsito não toma a decisão de morrer. Pode tomar muitas outras decisões, mais morrer não é uma delas. A mãe sabe.

- O problema aqui não é que o menino escolheu morrer, mas sim o menino toma decisões  que poderiam conduzir a mais de um resultado, incluindo sua morte. Esse fato não está  claro para ele, não o conhece. É a informação que lhe falta. A que evita que o menino tome uma decisão clara, que faça uma melhor escolha.

- Como vê, analisou-o perfeitamente.

Agora Eu, como Deus, nunca interferirei em suas decisões, mas sempre as conhecerei.

Portanto, pode assumir que se algo te acontecer, é perfeito que assim seja, porque nada escapa à perfeição no mundo de Deus.

O desenho de sua vida (as pessoas, os lugares e os eventos nela), foi criado perfeitamente pelo criador perfeito da perfeição de si mesmo: Você... e Eu... em, como e através de você.

Agora podemos trabalhar juntos neste processo criativo de maneira consciente ou inconsciente. Pode ir pela vida consciente ou inconsciente. Pode seguir seu caminho dormindo ou acordado.

Você escolhe...

- Espere, voltemos para esse comentário a respeito de tomar decisões em níveis muito diferentes. Disse que se desejava estabelecer minha vida, deveria deixar de mudar minha opinião a respeito de quem sou e quem desejo ser. Quando eu disse que possivelmente  isso não seria fácil, fez a observação de que todos nós tomamos decisões em níveis muito diferentes. 

Pode aprofundar mais nisso? 
O que significa isso? 
Quais são as implicações?

- Se tudo o que desejou fosse o que sua alma desejou, tudo seria muito simples. Se  escutasse a parte de você que é espírito puro, todas suas decisões seriam fáceis e todos os resultados felizes. Isto, porque as decisões do espírito sempre são as decisões mais elevadas.

Não precisam justificar-se. Não precisam analisar-se ou avaliar-se. Simplesmente, precisam Seguir e Agir.

Entretanto, não é unicamente um espírito. É um ser Trindade, formado de corpo, mente e espírito. Essa é a glória e a maravilha de ti. Frequentemente toma decisões e escolhe simultaneamente nos três níveis e que nem sempre coincidem.

Não é raro que seu corpo deseje uma coisa, enquanto que sua mente procura outra e seu espírito deseja uma terceira. Isto acontece especialmente certo nas crianças, que com frequência não têm a suficiente maturidade para distinguir entre o que parece "divertido" ao corpo e o que tem sentido para a mente, muito menos entre o que ressona com a alma. Portanto o menino joga na rua.

Como Deus, estou consciente de todas suas escolhas, inclusive das que faz subconscientemente. Nunca interferirei com elas, a não ser justamente o contrário. É Minha tarefa assegurar que suas escolhas sejam concedidas. 
(Na verdade, VOCÊ as concede a seu Eu. O que eu faço é colocar em seu lugar um sistema que permita fazer isso. Este sistema se chama o processo da criação e o explico com detalhe no Livro 1.)

Quando suas escolhas entram em conflito, quando o corpo, a mente e o espírito não atuam como um, o processo da criação funciona em todos os níveis, produzindo resultados mesclados. Por outro lado, se seu Ser estiver em harmonia e suas escolhas estiverem unificadas, podem ocorrer coisas surpreendentes.

Os jovens têm uma frase, "ter tudo junto", que poderia utilizar-se para descrever este estado unificado de Ser.

Há também níveis dentro de níveis em sua tomada de decisões. Isto é particularmente  certo, no nível da mente.

Sua mente pode e toma decisões e faz escolhas no mínimo entre três níveis interiores: a Lógica, a Intuição, a Emoção e, em ocasiões, as três, produzindo o potencial para um  conflito interior muito maior.

Dentro de um desses níveis, na Emoção, há cinco níveis mais. Estas são as cinco Emoções Naturais: Aflição, Ira, Inveja, Medo e Amor.

Dentro destas emoções há também dois níveis finais: o Amor e o Medo.

As cinco emoções naturais incluem o amor e o medo; não obstante, o amor e o medo são à base de todas as emoções. As outras três das cinco emoções naturais são consequências destas duas.

Por último, todos os pensamentos estão dominados pelo amor ou o medo. Esta é a grande polaridade. Esta é a dualidade primitiva. Finalmente, tudo se converte em uma destas emoções. Todos os pensamentos, as ideias, os conceitos, as compreensões, as decisões, as escolhas e as ações se apoiam em uma destas.

Ao final, só há uma na verdade. O amor.

Na verdade, o amor é tudo o que há. Inclusive o Medo é “fruto do Amor” e quando se utiliza em forma efetiva, expressa amor.

- O Medo expressa amor?

- Sim, em sua forma mais elevada. Tudo expressa amor, quando a expressão está em sua forma mais elevada.

A mãe que salva ao filho de morrer no tráfico expressa temor ou amor?

- Suponho que ambas as coisas. Temor pela vida do menino e amor, suficiente para arriscar sua própria vida para salvar o menino.

- Precisamente. Aqui vemos que o temor em sua forma mais elevada se converte em amor. É amor, expresso como temor.

De maneira similar, ao subir pela escala das emoções naturais, a aflição, a ira e a inveja são alguma forma de temor, que por sua vez, é alguma forma de amor.


Uma coisa conduz à outra. Compreende?

O problema surge quando alguma das cinco emoções naturais se distorce. Então se voltam grotescas e não são reconhecíveis como fruto do amor, muito menos como Deus, que É o Amor Absoluto.

- Já tinha ouvido falar sobre as cinco emoções naturais, durante minha maravilhosa associação com a doutora Elisabeth Kübler-Ross. Ela me ensinou sobre elas.

- De fato. Foi Eu quem a inspirou para ensinar isto.

- Compreendo que quando tomo decisões, muito depende “de onde venho" e de que de onde "venho" poderia ter várias camadas de profundidade.

- Sim, assim é.


Por favor, me fale sobre as cinco emoções naturais, eu gostaria de ouvir de novo, porque esqueci muito do que me ensinou Elisabeth.

( CONTINUAÇÃO EM " O QUE É REALMENTE A TRISTEZA, IRA, INVEJA, MEDO E O AMOR" )

Sem comentários:

Enviar um comentário