segunda-feira, 30 de maio de 2016

O QUE É REALMENTE A TRISTEZA, IRA, INVEJA, MEDO E O AMOR - CONVERSAS COM DEUS 3

Excertos retirados do livro Conversas com Deus por Neale Waslch

( página 21 á página 29 )


- Por favor, me fale sobre as cinco emoções naturais, eu gostaria de ouvir de novo, porque esqueci muito do que me ensinou Elisabeth.


- A Tristeza é uma emoção natural. É a parte de você que permite se despedir quando não deseja dizer adeus; expressar (expulsar, tirar) a tristeza dentro de si devido à experiência de qualquer tipo de perda. Pode ser a perda de um ser amado ou a perda de uma lente de contato.

Quando se permite expressar sua aflição, libera-se dela. 
As crianças que tem permissão para estar tristes quando se sentirem tristes se sentem muito mais conformados em relação à tristeza quando são adultos e, portanto, geralmente passam por esse período de tristeza com muita rapidez.

As crianças que lhes dizem "Não chore", sentem dificuldade em chorar quando são adultos.

Depois de tudo, durante toda sua vida lhes dirão que não chorem. Portanto, reprimem sua aflição.

A aflição que se reprime em forma contínua se converte em depressão crônica; uma emoção muito pouco natural.

As pessoas matam devido à depressão crônica; iniciam guerras e têm arruinado nações.


A ira é uma emoção natural. É a ferramenta que tem e que te permite dizer "Não, obrigado". Não tem que ser abusiva e nunca tem que machucar a outros.

Quando é permitido que as crianças expressem sua ira, mostram uma atitude muito saudável a respeito desta, quando são adultos e, portanto, geralmente atravessam por sua ira com muita rapidez.

As crianças que lhes fazem sentir que sua ira não é correta, que é ruim expressá-la e que não deveriam senti-la, terão dificuldades de controlar de forma apropriada sua ira quando forem pessoas adultas. A ira que se reprime continuamente se converte em cólera, uma emoção muito pouco natural.

Pessoas matam devido à cólera; iniciam guerras e têm arruinado nações.


A inveja é uma emoção natural. É a emoção que faz que uma criança de cinco anos deseje poder alcançar o trinco da porta, como sua irmã, ou andar em bicicleta. A inveja é uma emoção natural que faz com que deseje fazê-lo de novo, se esforçar mais, continuar lutando até obter o êxito. É muito saudável sentir inveja, muito natural. Quando As crianças tem permissão para expressar sua inveja, mostram uma atitude muito sã durante seus anos de adultos e, portanto, quase sempre atravessam pela inveja com muita rapidez.

Crianças educadas em que sentir que a inveja não é boa, que é ruim expressá-la e que nem sequer deveriam senti-la, lhes dificultará dirigi-la em forma apropriada quando forem adultos.

A inveja reprimida em forma contínua se converte em ciúmes, que é uma emoção muito pouco natural.

Pessoas matam devido a ciúmes; iniciam guerras e têm arruinado nações.


O Medo é uma emoção natural. Todos os bebês nascem com dois temores unicamente: o medo de cair e o temor aos ruídos fortes. Todos os outros temores são respostas aprendidas, proporcionadas as crianças por seu meio ambiente, ensinadas por seus pais. O propósito do temor natural é desenvolver um pouco de preocupação. A precaução é uma ferramenta que ajuda a manter vivo o corpo. É um fruto do amor. O amor pelo Eu.

As crianças que foram ensinadas que o Medo não é correto, que é ruim expressá-lo e que nem sequer deveriam senti-lo, terão dificuldades de controlá-lo de forma apropriada quando forem adultos.

O Medo que se reprime continuamente se converte em pânico, que é uma emoção muito pouco natural.

As pessoas matam devido ao pânico; iniciam guerras e têm arruinado nações.


O amor é uma emoção natural. Quando a uma criança é permitido expressá-lo e recebê-lo, em forma normal e natural, sem limitação nem condição, sem inibição nem vergonha, ele não requer de nada mais, porque a alegria do amor expresso e recebido desta maneira é suficiente. Entretanto, o amor que foi condicionado, limitado, regido por regras e regulamentos, por rituais e restrições, controlado, manipulado e reprimido, converte-se em algo muito pouco natural.

As crianças que foram ensinadas a sentir que seu amor natural não é bom, que é ruim expressá-lo, e que nem sequer deveriam senti-lo, terão dificuldades em controlá-lo de forma apropriada quando forem pessoas adultas.

O amor que se reprime em forma contínua se converte em atitude possessiva, que é uma emoção muito pouco natural.

As pessoas matam devido a uma atitude possessiva, iniciam guerras e têm arruinado nações.


As emoções naturais, quando se reprimem, produzem reações e respostas não naturais. Quase todas as pessoas reprimem as emoções mais naturais. Apesar disso, elas são suas amigas. Estes são seus dons. Elas são suas ferramentas divinas com as que podem criar sua experiência.


Recebem estas ferramentas ao nascer e são para ajudá-los se ajustar na vida. 


- Por que a maioria das pessoas reprime estas emoções?

- Ensinaram-lhes às reprimir, disseram-lhes que o fizessem. 

- Por quem?

- Seus pais, as pessoas que os criaram.

-  Por quê? Por que fizeram isso?

- Porque seus pais os ensinaram e os seus avós ensinaram a eles. 

- Sim, sim, mas, por quê? Por que continua?

- O que continua é que a paternidade é exercida por pessoas não adequadas. 

- O que quer dizer? Quem são as "pessoas não adequadas"?

- A mãe e o pai.

- A mãe e o pai são as pessoas inadequadas para criar os filhos?

- Sim, quando os pais são jovens. Sim, na maioria dos casos. Na verdade, é um milagre que muitos deles façam o bom trabalho que assumiram.

Ninguém está mais mal equipado para educar as crianças que os pais jovens. E ninguém sabe disto, a propósito, melhor do que seus pais.

A maioria dos pais assume a tarefa da paternidade com muito pouca experiência da vida. Estavam com dificuldades se auto-educando. Ainda procuram respostas e indícios.

Nem sequer descobriram a si mesmos; não obstante, tratam de guiar e de proporcionar descobrimento a outros, inclusive mais vulneráveis que eles. Nem sequer se definiram a si mesmos e lhes confiam o ato de definir a outros.

Ainda tratam de superar quão “mau” seus pais os definiram.

Nem sequer eles descobriram Quem São e tentam lhe dizer Quem Você É. A pressão é muito grande para eles para fazê-lo bem; nem sequer podem dirigir "corretamente" suas vidas. Portanto, dirigem mal: suas vidas e as vidas de seus filhos.

Se tiverem sorte, os danos a seus filhos não serão muitos. Os filhos superarão essa “educação equivocada”, embora talvez não antes de transmitir essa “educação equivocada” a seus filhos.

Quase todos vocês obtêm a sabedoria, a paciência, a compreensão e o amor para serem pais maravilhosos somente depois que terminam seus anos de paternidade.



- Por que isto? Não o compreendo. 
Dou-me conta que Sua observação é correta em muitos casos, mas, por que é assim?


- Porque jovens que fazem crianças nunca tiveram intenção de criar crianças. Sua idade para educar crianças deveria começar na verdade quando terminarem a idade fértil.


- Ainda me sinto um pouco perdido aqui.


- Os seres humanos são biologicamente capazes de gerar filhos quando eles mesmos são ainda meninos, o qual possivelmente lhes surpreenda sabê-lo, à maioria de vocês, pois o são (crianças) durante 40 ou 50 anos.


- Os seres humanos são "crianças" durante 40 ou 50 anos?

- Sim, de certa forma, sim. Sei que é difícil ter isto como verdade, mas olhe a seu redor. Possivelmente os comportamentos de sua raça poderiam ajudar a demonstrar Meu ponto de vista.

A dificuldade é que em sua sociedade, vocês dizem aos 21 anos que são "maiores" e estão preparados para enfrentar o mundo. A isto terá que acrescentar o fato de que muitos de vocês foram criados por mães e pais que não tinham mais de 21 anos de idade quando começaram a criá-los. Pode começar a compreender o problema.

Se acaso esperasse que as pessoas que dão vida As crianças também os educassem, não poderiam lhes dar vida até que tivessem cinquenta anos!

Esperava-se que o dar a vida fora uma atividade dos jovens, cujos corpos estão bem desenvolvidos e fortes. Esperava-se que o criar filhos fosse uma atividade dos mais velhos, cujas mentes estão bem desenvolvidas e fortes.

Em sua sociedade insistiram em fazer responsáveis por criar as crianças, às pessoas que lhes deram a vida, com o resultado de que, não só dificultaram muito o processo da paternidade, mas também distorceram muitas das energias que rodeiam ao ato sexual.



- Poderia explicá-lo? 

- Sim.

Muitos seres humanos observaram o que Eu observei aqui. Isto é, que muitos seres humanos, possivelmente a maioria, não são realmente capazes de criar crianças quando são capazes de tê-los. Entretanto, ao descobrir isto, os humanos escolheram exatamente a solução errônea.

Em lugar de permitir que os jovens desfrutem do sexo, e se produzirem filhos, que as pessoas mais velhas os eduquem, dizem a seus jovens que não façam sexo até que estejam preparados para aceitar a responsabilidade de criar os filhos. Fizeram entender que seria "errado" para eles ter experiências sexuais antes desse tempo e, desta maneira, criaram um tabu ao redor do que se tentava deixar fora, uma das celebrações mais prazerosas da vida.

É óbvio, que a esse tabu de educação dá-se pouca atenção, por um bom motivo: é totalmente antinatural obedecê-lo.

Os seres humanos desejam casar e copular logo que sentem o sinal interior que lhes indica que estão preparados. Esta é a natureza humana.

Entretanto, seus pensamentos a respeito de sua própria natureza estarão mais relacionados com o que vocês, como pais, disseram sobre o que sentem em seu interior. Seus filhos os buscam, para que lhes digam o que é a vida.

Quando sentirem suas primeiras necessidades de olhar-se às escondidas, de tocar inocentemente um no outro, de explorar as "diferenças" mútuas, observam-nos em busca de sinais sobre isto. É "boa" esta parte de sua natureza humana? É "ruim"? É permitido? Deve- se reprimir? Pode ser exposto? Desencorajado?


Observa-se que o que muitos pais disseram a seus filhos sobre esta parte de sua natureza humana tem sua origem em muitas coisas: no que lhes disseram; o que diz sua religião; no que pensa sua sociedade, em tudo, exceto na ordem natural das coisas.

Na ordem natural de sua espécie, a sexualidade se apresenta entre os 9 e os 14 anos. Dos 15 em adiante, está muito presente e se expressa em quase todos os seres humanos.

Assim se inicia uma corrida contra o tempo, com os meninos correndo em disparada para a liberação plena de sua própria e alegre energia sexual e os pais apressando-se para detê- los.

Os pais necessitam toda a assistência e todas as alianças que possam encontrar nesta luta, porque, como se indicou, pedem a seus filhos que não façam algo que é parte de sua natureza.

Assim, os adultos inventaram toda espécie de pressões familiares, culturais, religiosas, sociais e econômicas, assim como restrições e limitações para justificar suas demandas pouco naturais a seus filhos. As crianças cresceram aceitando que sua própria sexualidade não é natural. Como algo que é "natural" pode ser tão vergonhoso, sempre evitado, tão controlado, mantido a raia, restringido, freado e negado?


- Considero que exageras um pouco nisto. Não acredita que está exagerando?


- Realmente? O que você acha do impacto em uma criança de quatro ou cinco anos, quando seus pais nem sequer utilizam o nome correto para certas partes de seu corpo? O que dizem as crianças a respeito de seu nível de aceitação sobre isso e qual consideram que deva ser o seu?

Uh...

-  Sim... "uh...”, na verdade.

"Não empregamos essas palavras", como minha avó estava acostumada dizer. É só que "pipi" e "bumbum" soam melhor.

- Só porque têm muita "negatividade" ligada aos nomes reais dessas partes do corpo que estranhamente, utilizam essas palavras em conversas normais.

É óbvio, na idade jovem, as crianças não sabem por que seus pais sentem desta maneira, mas sim só ficam com a impressão, a impressão marcante de que certas partes do corpo "não são boas" e que algo relacionada com elas não só é vergonhosa, mas também é "má".

À medida que as crianças crescem e chegam à adolescência, compreendem que isto não é verdade, mas então lhes falam claramente sobre a ligação entre gravidez e a sexualidade e a respeito de como terão que educar as crianças, por isso agora têm outro motivo para sentir que a expressão sexual é "má" e assim se completa o círculo.

Isto causou confusão em sua sociedade, assim como estragos. Isto sempre é o resultado de brincar com a natureza.

Criaram a vergonha sexual, a repressão e o pudor, o que conduziu à inibição sexual, à disfunção e à violência.

Como sociedade, sempre estarão inibidos por isso que os envergonha; sempre serão disfuncionais com comportamentos que reprimiram e sempre atuarão com violência, como protesto porque lhes fazem sentir vergonha por algo que em seu coração sabem que não deveriam senti-la.


- Então, Freud tinha razão quando disse que grande parte da ira na espécie humana poderia estar relacionada com a sexualidade (uma ira profunda por ter que reprimir os instintos físicos básicos e naturais, assim como os interesses e as necessidades.

- Mais de um de seus psiquiatras se aventurou o bastante. O ser humano está zangado porque sabe que não deve sentir vergonha por algo que se sente tão bem e, entretanto, sente culpa e vergonha. Primeiro o ser humano se zanga com o Eu por sentir-se muito bem respeito a algo que se supõe que obviamente é "mau".

Então, quando ao fim compreende que foi vítima do engano, que se supõe que a sexualidade deve ser uma parte maravilhosa, honorável e gloriosa da experiência humana, zanga-se com outros: com os pais, por reprimi-lo; com a religião, por envergonhá-lo; com os membros do sexo oposto, por desafiá-lo e com toda a sociedade, por controlá-lo.

Por último, zanga-se consigo mesmo, por permitir que tudo isto o iniba.

Grande parte desta ira reprimida se canaliza para a construção de valores morais distorcidos e desencaminhados, na sociedade em que agora vivem, uma sociedade que glorifica e honra com monumentos, estátuas, timbre comemorativos, filmes, fotografias e programas de televisão, alguns dos atos de violência mais feios do mundo, mas que oculta ou, pior ainda, que despreza alguns dos atos de amor mais formosos do mundo.

Tudo isto (tudo isto) surgiu que um só pensamento: que as pessoas que têm filhos, têm também a responsabilidade de criá-los.


- Então, se as pessoas que tiverem filhos não são responsáveis por educá-los, quem é? 

- Toda a comunidade, com ênfase especial nas pessoas mais velhas.


- As pessoas mais velhas?


- Nas raças e sociedades mais avançadas, as pessoas mais velhas criam as crianças, alimenta-os, treina-os e lhes transmitem a sabedoria, os ensinos e as tradições de sua raça.

Mais adiante, quando falarmos sobre algumas destas civilizações avançadas, tocarei de novo neste tema.

Em uma sociedade onde não se considera "mau" produzir filhos a uma idade jovem (porque os anciões da tribo os criam e, portanto, não existe um sentido entristecedor de responsabilidade e carga), não existe a repressão nem a violação nem a separação nem a disfunção social e sexual.


- Existem tais sociedades em nosso planeta?


- Sim, embora estejam desaparecendo. Trataram de erradicá-las, ao invés de assimilá-las, porque as consideram bárbaras. No que vocês chamam sociedades não bárbaras, as crianças (as esposas e os maridos) consideram-se como uma propriedade, como posses pessoais. Portanto, as pessoas que têm filhos devem criá-los, porque devem cuidar do que "possuem".

Considera-se que a raiz de muitos dos problemas de sua sociedade é esta ideia a respeito de que os cônjuges e os filhos são posses pessoais, que são "deles".
Mais adiante examinaremos todo este tema da "propriedade", quando explorarmos e discutirmos a vida entre os seres extremamente evoluídos. No momento, só pensem nisto durante um minuto. 

- Qualquer pessoa está emocionalmente preparada para criar aos filhos no momento em que estão fisicamente aptas para tê-los?


- A verdade é que a maioria dos seres humanos não estão equipados para criar As crianças inclusive quando têm 30 e 40 anos e não deve esperar-se que o estejam. Na verdade, não viveram o suficiente como adultos para transmitir uma sabedoria profunda a seus filhos.


- Já escutei isso anteriormente. Mark Twain falou sobre isto. Diz-se que comentou: "Quando eu tinha 19 anos, meu pai não sabia nada. Entretanto, quando eu tinha 35, surpreendeu-me quanto tinha aprendido meu pai".


- Captou com perfeição. Nunca se teve a intenção de que em sua juventude tivessem que ensinar a verdade, a não ser reunir a verdade. 

- Como podem ensinar As crianças uma verdade que ainda não acumularam?


- É óbvio que não podem. Portanto, só lhes dirão a verdade que conhecem, a verdade de outros, a de seus pais, suas mães, sua cultura e sua religião. Só sua própria verdade.

Ainda a estão procurando. Procurarão, experimentarão, encontrarão, fracassarão, formarão, e reformarão sua verdade, sua ideia sobre vocês mesmos, até que tenham permanecido meio século neste planeta ou quase este tempo.

Então, possivelmente ao fim comecem a estabelecer-se com sua verdade. É provável que a verdade maior que aceitem seja que não existe uma verdade constante; essa verdade, como a vida em si, é algo que troca, algo que cresce e evolui. Então, quando pensarem que o processo da evolução se deteve, não se deteve, mas sim na verdade apenas se iniciou.



- Sim, já compreendi isso. Tenho mais de 50 e já cheguei a esse ponto.


- Bem. Agora é um homem sábio, uma pessoa maior. Agora deve criar filhos, ou melhor, ainda, daqui a dez anos. São as pessoas mais velhas as que devem criar As crianças e isso foi o que se tentou.

São as pessoas mais velhas as que conhecem a verdade e a vida; o que é importante e o que não é; o que significa na verdade termos tais como integridade, honestidade, lealdade, amizade e amor.


- Compreendo o explicou aqui. É difícil aceitar, mas muitos de nós logo que deixamos de ser "meninos" e "estudantes", quando já temos filhos próprios e sentimos que temos que começar a ensiná-los. Então supomos que devemos educá-los como ensinaram nossos pais.


- Assim, os pecados do pai passam ao filho, inclusive até a sétima geração. 

- Como podemos mudar isso? Como podemos terminar o ciclo?


- Deixem a educação das crianças nas mãos das respeitáveis pessoas mais velhas. Os pais podem ver seus filhos quando o desejarem, inclusive viver com eles se assim o decidirem, mas não são os únicos responsáveis por seu cuidado e educação. As necessidades físicas, sociais e espirituais das crianças são supridas por toda a comunidade, com a educação e os valores que oferecem as pessoas mais velhas.

Mais adiante em nosso diálogo, quando falarmos sobre outras culturas no universo, veremos alguns novos modelos para viver. Não obstante, estes modelos não funcionarão na forma como têm estruturadas na atualidade suas vidas.


- O que quer dizer?


- Quero dizer que não só na paternidade que estão usando um modelo ineficaz, mas também toda sua forma de vida.

- Uma vez mais, a que se refere?


- Afastaram-se uns dos outros. Separaram suas famílias, desmantelando suas comunidades menores, a favor de cidades enormes. Nestas cidades enormes há mais pessoas, mas menos "tribos", grupos ou clãs cujos membros consideram que sua responsabilidade é incluir responsabilidade para todos. Na verdade, não têm anciões. Não ao alcance da mão.

Ainda pior que afastar-se das pessoas mais velhas, apartaram-nas, marginalizaram-nas, tiraram-lhes seu poder e inclusive se sentem ofendidos por elas.

Sim, alguns membros de sua sociedade se sentem ofendidos pelas pessoas mais velhas que há entre vocês, afirmam que de algum jeito sangram o sistema, exigem benefícios que os jovens têm que pagar com percentagens de seus ganhos cada vez maiores.


- É verdade. Alguns sociólogos predizem uma guerra de gerações, em que se culpará às pessoas mais velhas por requerer cada vez mais, enquanto contribuem cada vez menos.


- Agora existem muito mais cidadãos mais velhos, porque os "baby boomers" (filhos nascidos após a Segunda Guerra Mundial de 1945 a 1952) se aproximam da idade adulta e as pessoas em geral vivem mais tempo.


Entretanto, se as pessoas mais velhas não contribuírem, isto se deve a que não lhes permitiram contribuir. Pediram-lhes que se retirassem de seus trabalhos, quando poderiam lhe proporcionar algum bem à companhia. Pedem-lhes que se retirem de uma participação mais ativa e significativa na vida, justamente quando sua participação poderia dar algum sentido aos procedimentos.

Não só na paternidade, mas também na política, na economia e inclusive na religião, onde as pessoas mais velhas tinham ao menos um ponto de apoio, converteram-se em adoradores da juventude, em uma sociedade que aparta os anciões.

Sua sociedade se converteu em uma sociedade singular e não em uma plural. Isto é, em uma sociedade formada por indivíduos e não por grupos. Ao individualizar e rejuvenescer a sua sociedade, perderam muito de sua riqueza e recursos. Agora carecem de ambos e muitos de vocês vivem em uma pobreza e esgotamento emocionais e psicológicos.


- Perguntarei de novo, há alguma forma em que possamos dar fim a este ciclo?


- Primeiro, reconheçam que é real. Muitos de vocês vivem em negação. 
Muitos de vocês fingem que O QUE É, Simplesmente NÃO É. Mentem para si mesmos e não desejam escutar a verdade, muito menos expressá-la.

Sobre isto falaremos também mais adiante, quando examinarmos as civilizações de seres extremamente evoluídos, porque esta negação, este fracasso de observar e reconhecer isto não é algo insignificante. Se na verdade desejam mudar as coisas, espero que Me escutem.
Chegou o momento de dizer a verdade, singela e simples. Está preparado? 

- Estou. 

- Por isso vim a Ti. Por isso se iniciou toda esta conversação.

Com frequência, a verdade se torna incômoda. Só conforta a aqueles que não desejam ignorá-la. Então, a verdade não só se volta confortante, mas também inspiradora.



- Para mim, todo este diálogo de três partes foi inspirador. Por favor, continue.


- Há alguns bons motivos para sentir-se animado, otimista. Observo que as coisas começaram a mudar. Há mais ênfase entre sua espécie para criar comunidade e formar famílias amplas, mais que em anos recentes. Estão honrando cada vez mais com maior frequência os seus mais velhos, produzindo significado e valor em suas vidas e destas. É um grande passo em uma maravilhosa direção correta.


As coisas estão "mudando". Parece que sua cultura deu esse passo. 

Agora, é seguir em frente.


Não podem fazer estas mudanças em um dia. Por exemplo, não podem mudar toda sua forma de paternidade, que é como se iniciou esta corrente atual de pensamento, de uma só vez. Não obstante, podem trocar seu futuro, passo a passo.

Ler este livro é um desses passos. Este diálogo tocará de novo muitos pontos importantes antes que tenhamos terminado. Essa repetição não será acidental, mas sim é para dar ênfase.

Pediu ideias para a construção de seus amanhãs. Comecemos examinando seus ontens.

( CONTINUAÇÃO EM " O QUE É REALMENTE O PASSADO E O FUTURO / DEUS E O DIABO " )

Sem comentários:

Enviar um comentário