domingo, 19 de julho de 2015

SOMOS TODOS ESPELHOS UNS DOS OUTROS!


Todos somos extensões do campo universal de energia ou diferentes pontos de vista de uma única entidade. Isto implica ver todas as coisas… do mundo e todas as pessoas do mundo, dando-nos conta de que estamos olhando para outra versão de nós mesmos.Você e eu somos o mesmo. Tudo é o mesmo.
Todos somos espelhos dos demais e devemos aprender a ver-nos no reflexo das demais pessoas. A isto chamamos espelho das relações.
Através do espelho de uma relação, descubro meu eu não circunscrito. Por esta razão, o desenvolvimento das relações é a atividade mais importante de minha vida. Tudo o que vejo a meu redor é uma expressão de mim mesmo.
As relações são uma ferramenta para a evolução espiritual, cuja meta última é a unidade de consciência. Todos somos, inevitavelmente, parte da mesma consciência universal. Mas os verdadeiros avanços têm lugar quando começamos a reconhecer essa conexão em nossa vida cotidiana.
As relações são uma das maneiras mais efetivas para alcançar a unidade de consciência, porque sempre estamos envolvidos em relações. Pense na rede de relações que você mantém: pais, filhos, amigos, companheiros de trabalho, relações amorosas. Todas são, em essência, experiências espirituais.
Quando você está apaixonado, romântica e profundamente apaixonado, você tem uma sensação de intemporalidade. Nesse momento, você está em paz com a incerteza. Sente-se maravilhado, mas vulnerável; sente proximidade, mas também desproteção. Você está se transformando, mudando, mas sem medo. Sente-se maravilhado. Essa é uma experiência espiritual.
Através do espelho das relações, de cada uma delas, descobrimos estados expandidos de consciência. Tanto aqueles a quem amamos como aqueles por quem sentimos rejeição, são espelhos de nós. Por quem nos sentimos atraídos? Por pessoas que têm características similares às nossas. Mas isso não é tudo. Queremos estar em sua companhia porque, subconscientemente, sentimos que ao fazê-lo nós podemos manifestar mais dessas características. Do mesmo modo, sentimos rejeição pelas pessoas que refletem as características que negamos em nós.
Se você sente uma forte reação negativa em relação a alguém, pode estar seguro de que você e essa pessoa têm características em comum, características que você não está disposto a aceitar. Se as aceitasse, não lhe incomodariam.
Quando reconhecemos que podemos nos ver nos demais, cada relação se converte em uma ferramenta para evolução de nossa consciência. Graças a esta evolução experimentamos estados expandidos de consciência.
Na próxima vez que você se sentir atraído por alguém, pergunte-se o que lhe atraiu. Sua beleza, graça, elegância, autoridade, poder ou inteligência? Qualquer coisa que tenha sido, seja consciente de que essa característica também existe em você. Se você prestar atenção a esses sentimentos poderá iniciar o processo de se converter em você mais plenamente.
O mesmo se aplica às pessoas por quem sente rejeição. Ao adotar mais plenamente seu verdadeiro eu, deve compreender e aceitar suas características menos atraentes. A natureza essencial do Universo é a coexistência de valores opostos. Você não pode ser valoroso se não tiver um covarde em seu interior; não pode ser generoso se não tem um avarento; não pode ser virtuoso se não tem a capacidade para atuar com a maldade.
Gastamos grande parte de nossas vidas negando este lado escuro e terminamos projetando essas características escuras em quem nos rodeia. Você conhece pessoas que atraem sistematicamente para sua vida pessoas ‘erradas’? Normalmente, elas não compreendem porque aquilo lhes acontece uma e outra vez, ano após ano. Não é que atraiam essa obscuridade; é que não estão dispostas a aprová-la em suas próprias vidas. 
Um encontro com uma pessoa que não lhe agrada é uma oportunidade para aceitar o paradoxo da coexistência dos opostos; de descobrir uma nova faceta de você. É outro passo a favor do desenvolvimento do seu ser espiritual. 
As pessoas mais esclarecidas do mundo aceitam todo o seu potencial de luz e sombra. Quando você está com alguém que reconhece e aceita seus traços negativos, nunca você vai se sentir julgado. Isto só ocorre quando as pessoas vêem o bem e o mal, o correto e o incorreto, como características externas.
Quando estamos dispostos a aceitar o lado luminoso e o escuro de nosso ser, podemos começar a curar-nos e a curar nossas relações. Todos somos multidimensionais, omnidimensionais. 
Tudo o que existe em algum lugar do mundo também existe em nós. Quando aceitamos esses diferentes aspectos de nosso ser, reconhecemos nossa conexão com a consciência universal e expandimos nossa consciência pessoal.
As características que distinguimos mais claramente nos demais estão presentes em nós. Quando formos capazes de ver no espelho das relações, poderemos começar a ver nosso ser completo. Para isto é necessário estar em paz com nossa ambigüidade, aceitar todos os aspectos de nós. Necessitamos reconhecer, em um nível profundo, que ter características negativas não significa que sejamos imperfeitos. Ninguém tem somente características positivas. 
A presença de características negativas só significa que estamos completos; graças a essa totalidade, podemos acessar mais facilmente nosso ser universal, no que nos cerca.
Uma vez que você possa se ver nos demais, será muito mais fácil estabelecer contato com eles e, através dessa conexão, descobrir a consciência da unidade. Este é o poder do espelho das relações.
Deepak Chopra

5 COISAS QUE APENAS AS ALMAS ANTIGAS VÃO ENTENDER

O intuito deste artigo não é tentar excluir certos grupos de pessoas  ou apelar para um certo tipo de público. O intuito desse artigo é proporcionar conforto e uma sensação de alívio para as pessoas que ficam intimidadas, que são rotuladas e julgadas por não se encaixarem ao resto da sociedade.
Algumas pessoas são apenas almas antigas e precisam ser aceitas como tal. Se você é uma das pessoas que muitas vezes é  chamada de louco(a) por acharem estranho o fato de  que você poder sentir a energia das pessoas, ou o vêem como um eremita por você sempre sentir a necessidade de ter um tempo sozinho, ou um ‘esquisito’ por acreditar em coisas alternativas; a melhor coisa que você pode fazer é continuar sendo fiel a si mesmo.
Ser uma alma antiga tentando se adequar a uma sociedade que é  espiritualmente vazia, só vai lhe causar dor e sofrimento. Não deixe que pressões externas te  induzam a trair suas paixões, desejos e estado natural de ser.

Aqui estão 5 coisas que só almas velhas vão entender:

1) A necessidade de reclusão e isolamento


Toda alma velha sabe a extrema importância de tomar o tempo longe da vida, as pessoas, e obrigação e passar o tempo sozinho em isolamento. A vida pode ser esmagadora, por vezes, e as energias de outras pessoas podem ser desgastantes. Gastar tempo sozinho na natureza, ou sentado sozinho em um banco do parque, ou passar o dia todo no seu quarto são coisas que, muitas vezes,  se tornarão necessárias para a sua saúde espiritual.
Algumas pessoas podem achá-lo uum eremita ou dizer que você é um antissocial, mas  só você só sabe o valor de passar um tempo sozinho para sua desintoxicação, reflexão  e cuidado consigo mesmo.

2) O desejo de crescimento


Mais que  estar feliz e confortável, você quer viver uma vida que estimule o seu crescimento e expansão.Você valoriza o crescimento e experiência tanto que você está disposto a ir em frente, mesmo através da dor, do sofrimento e depressão, a fim de aprender mais sobre si mesmo.
Você assume riscos e quer ir em aventuras que outras pessoas podem achar  insensatas, mas optar sempre pelo seguro é muito chato para você. No final de sua jornada aqui na terra, você gostaria de ter experimentado uma vida cheia de altos e baixos, sofrimento e alegria, e aventuras surpreendentes ao contrário de ter experimentado uma vida pacata e sem desafios.

3) Ser altamente observacional e intuitiva


Desde tenra idade, você tem sido capaz de obter uma boa leitura sobre as pessoas. Só por  ver alguém interagir por apenas alguns minutos, você já é capaz de identificar as características que a pessoa teria, o estilo de vida que vivem, etc.É quase como se você tivesse um software que te permite olhar ao redor e fazer download das informações sobre outras almas. 

Isto é porque você já viu o arquétipo dessa pessoa antes em uma vida passada e está familiarizado com o comportamento geral e psicologia desse arquétipo. Você tem interagido com milhares de pessoas em todo o curso de sua história, então não há realmente nenhum arquétipo com o qual você não tenha interagido ainda.
Isso não significa que você é crítico, significa apenas que você está em estado observacional. Você pode encontrar-se em festas ou reuniões sociais, olhar ao redor de vez em quando e verificar as coisas. Observando como  as pessoas interagem, observando as trocas de energia que estão ocorrendo durante a conversa. Você pode até se sentir mais confortável como um observador distante do que como participante. Isso é natural para você.
Ter a capacidade de obter uma boa leitura sobre as pessoas também lhe confere uma boa detecção de mentiras. Quando alguém está mentindo para você, você sabe disso. Você percebe a dissociação em seus olhos, a mudança em seu campo de energia, a mudança na maneira de pronunciar as palavras. Você já passou por este lugar muitas vezes antes, então você não é socialmente ingênuo, mesmo que você não tenha  muita interação social nestavida.Você sempre foi difícil de manipular porque você pode ver as verdadeiras intenções e desejos de outras pessoas.Você é apenas bom em sentir as pessoas intuitivamente.
Algumas pessoas podem achar que você tem um parafuso a menos,  mas isso vêm naturalmente para você pelos  próprios pensamentos e energias de outras pessoas.

4) A rejeição por qualquer coisa “mainstream”


A Música atual, para você, é sem coração, sem paixão. A grande mídia está poluída, tendenciosa, e enganosa.O estilo de vida corrente principal é seco, chato e decepcionante. Por sentir assim, você costuma adotar formas “alternativas” de pensar e de viver que pode ser visto com curiosidade e estranheza por outras pessoas.
Pessoalmente, eu ouço muito metal atmosférico e post-rock porque ele me oferece o que eu desejo receber da música espiritual e existencialmente. Eu não suporto o rádio. Lembro-me de algumas pessoas perguntando a música que eu gostava e quando eu respondia eles rebatiam:  “isso não é  música”. Eu tenho certeza que eu não estou sozinho em me sentir excluído por admitir e assumir  minhas  crenças alternativas, gostos e preferências.

5) A apreciação da viagem


Você aprendeu a confiar e apreciar a viagem. Você não está tentando ser “profundo“, você simplesmente não pode deixar de ser arrebatado(a), por vezes, com sentimentos intensos de gratidão e humildade.
Você compreende que a vida é impermanente e não toma nada como garantido. Outros ao seu redor não entendem por que você gosta de passar tanto tempo em contato com a natureza, por que você medita com tanta frequência, ou porque você olha para as estrelas o tempo todo, mas isso é porque eles estão demasiado distraídos com assuntos mundanos para enxergarem a imensidão.

Se você se identifica com qualquer uma ou todas estas 5 coisas acima, então você pode ter certeza que você está bem além dos seus anos, ou você tem vivido uma vida ou duas neste planeta no passado. A grande maioria da população humana não compreende estas 5 coisas, e realmente tem prazer em ridicularizar aqueles que não parecem se encaixar.
Você não está sendo louco, esquisito, ou ”de um parafuso a menos”. Sua alma está apenas conectada a uma maneira diferente. Não deixe ninguém lhe dizer que você precisa mudar para se adequar às expectativas do mundo ao seu redor. O mundo não precisa de mais cópias de carbono. Ele precisa de mais indivíduos seguindo todas as coisas que fazem suas almas voltarem à vida!
_________
Fonte: Spirit Science and Metaphysics – Traduzido e Adaptado por: Equipe de O Segredo

MARAVILHOSO CÉREBRO EMOCIONAL DAS PESSOAS COM ALTA SENSIBILIDADE (PAS)

Às vezes não é fácil, em muitas situações é difícil caber em um mundo com “muitos pinos,” muito barulhento, egoísta e insincero. Os sentidos das pessoas com alta sensibilidade (PAS) são tão vulneráveis ​​quanto privilegiados, podem sentir o que os outros não percebem, e fazê-lo em tal intensidade que o mundo é mostrado a eles com uma série de realidades que escapam aos outros.
O que realmente faz uma pessoa com alta sensibilidade ser dessa forma? É genético? Por que sofrem mais do que outros? Porque o amor é ao mesmo tempo tão intenso e doloroso em seus relacionamentos? Por que desfrutam de sua solidão e, ao mesmo tempo, sentem uma profunda incompreensão, desde que eram crianças?
Em 2014 foi publicado um interessante estudo realizado na Universidade de Stony Brook (Nova Iorque), onde foi tentado explicar quais as características do cérebro de uma pessoa com alta sensibilidade (PAS), e como poderia se diferenciar pessoas que não são, ou pelo menos não têm a abertura emocional tão característica.
Os resultados do trabalho realizado por seis pesquisadores foram publicados na revista “Brain and Behavior”. Trazemos aqui as informações. Temos a certeza que irá surpreendê-lo.

O cérebro emocional das pessoas com alta sensibilidade (PAS)

Estima-se que cerca de 20% da população tenha as características básicas que definem uma elevada sensibilidade. O habitual é que passem grande parte de suas vidas sem saber que pertencem a esse pequeno grupo de privilegiados, e que, de alguma forma, têm que viver com alguns “óculos invisíveis” que os fazem ver o mundo de forma diferente, e com um coração mais aberto e vulnerável.
Estudos realizados na Universidade de Stony Brook descobriram que pessoas com alta sensibilidade tem um cérebro emocional dotado de grande empatia. São cérebros totalmente orientados à “sociabilidade” e união com os demais.
O que isto significa? Basicamente o que concluíram é que os processos cerebrais dessas pessoas mostram excesso de excitação nas áreas neurais relacionadas às emoções e interação: elas são capazes de decifrar e intuir os sentimentos daqueles que estão a sua frente, mas em sua vez, enfrentam um problema muito básico …
O resto do mundo não tem a mesma empatia, portanto, há um nítido desequilíbrio em relação à sua sensibilidade e aqueles ao seu redor. “Elas se veem como diferentes.”
Para chegar a estas conclusões foram realizados diferentes testes, como exames de ressonância magnética, onde estudaram os processos cerebrais das pessoas diagnosticadas como PAS, e das que não foram. E, para isso, elas foram expostas a diferentes estímulos para ver a atividade bioquímica e as diferentes estruturas que compõem o cérebro.

Os resultados foram muito visíveis em dois aspectos:

Os neurônios-espelho


Tenho certeza que você já ouviu falar de neurônios-espelho. Cumprem a função social, portanto, são encontrados principalmente em seres humanos e primatas. Localizado no córtex frontal inferior do cérebro, perto da área da linguagem, eles estão relacionados, principalmente, à empatia e nossa capacidade de capturar, processar e interpretar as emoções dos outros.
Em pessoas com alta sensibilidade, sua atividade é contínua e muito notável desde a infância.

Ínsula


A ínsula é uma estrutura pequena e alojada profundamente em nosso cérebro. É encontrada no córtex insular que por sua vez está relacionado com o sistema límbico, uma estrutura básica em nossas emoções, que nos dá a visão mais subjetiva e íntima da realidade.
Na verdade, os cientistas deste estudo chamam a ínsula de a “sede da consciência”, que reúne grande parte dos nossos pensamentos, intuições, sentimentos e percepções de tudo o que experimentamos cada momento. E não te surpreenderá saber que em pessoas com alta sensibilidade, essa estrutura “mágica” tem uma grande atividade em comparação com aquelas não caracterizados como PAS.
O estudo também conclui que além de serem mais sensíveis aos estímulos visuais associados com rostos e emoções humanas, elas também têm um limite mais baixo a muitos estímulos físicos, tais como luzes brilhantes ou sons altos, mesmo ativando as estruturas cerebrais relacionadas à dor. Algo curioso, sem dúvida.
Pessoas com alta sensibilidade têm um traço, uma maneira de sentir e compreender o mundo através de um sistema neurossensorial mais fino, nítido. E não é o que eles têm, é o que são. Por isso devem aprender a viver com o coração e com este dom maravilhoso, porque o sofrimento não é uma obrigação, mas uma opção que não vale a pena escolher.

Taduzido pela equipe de O Segredo

5 RAZÕES PELAS QUAIS A MAIORIA DAS PESSOAS NUNCA DESCOBRE O SEU PROPÓSITO


 “A mais profunda forma de desespero é escolher ser outro que não si mesmo.”
~ Soren Kierkegaard (1813-1855)

O significado de propósito e sentido de vida aqui está nos moldes dessa afirmação do filósofo dinamarquês Soren Kierkegaard mas também lembra, talvez ainda mais, a máxima do clássico indiano Bhagavad Gita (cap III, v.35), que diz que “Mais vale cumprir o próprio dharma, ainda que de forma imperfeita, do que cumprir de maneira perfeita o dever de outrem”

A psicóloga Shelley Prevost, terapeuta do Lamp Post Group, listou cinco razões pelas quais “nos perdemos” no caminho e entramos nessa crise de não enxergar mais sentido ou propósito, num post publicado na revista Inc intitulado “5 Razões Pelas Quais A Maioria das Pessoas Nunca Descobre Seu Propósito” (5 Reasons Why Most People Never Discover Their Purpose).


A maior parte do texto está traduzido abaixo, com observações, comentários e links a respeito de cada item. Não é intenção apresentar a lista da Shelley como “a” lista de razões para isto ou aquilo, mas é uma visão interessante que pode adicionar aos passos do nosso (verdadeiro) caminho. Segundo o sábio indiano Sri Ramana Maharshi, o que nos faz encontrarmos nosso próprio caminho e sentido é apenas uma coisa: investigarmos profunda e verdadeiramente quem somos.

Eis a lista:
1. Você vive de fora pra dentro e não de dentro pra fora:

Esse é o primeiro e o principal de todos eles. Os outros praticamente decorrem desse. Aqui está o conceito de Matrix, do filme de 1999. “Quem olha pra fora, sonha; quem olha pra dentro, acorda”, já disse Carl Jung.


Diz a Shelley Prevost no seu artigo:

“Desde a infância as pessoas são ensinadas a procurar outras pessoas para se guiarem. As normas sociais são uma parte importante da infância – você imagina como deve agir em relação aos outros — mas o problema começa quando você estende esse processo e inclui algo tão pessoal quanto o propósito da sua vida.

Algumas pessoas tem nossa confiança e a capacidade de nos ajudar a encontrar nosso real propósito único. Se você é uma dessas pessoas que tem essas companhias, você tem sorte! Mas a maioria das pessoas, mesmo as bem intencionadas, escolhem nos colocar dentro de compartimentos que fazem mais sentido pra elas. Para ganhar a aprovação delas, você se dispõe a entrar dentro do compartimento.

Para manter a aprovação delas, você aprende a negar seguidamente quem você é. Em situações demais você vive num roteiro de outra pessoa”.


 2. Você procura uma carreira antes de ouvir seu chamado:

Esse na verdade é uma consequência do primeiro. No caso do propósito de vida, essa é a pior (consequência). Isso já foi muito bem tratado num vídeo do psiquiatra chileno Claudio Naranjo, onde ele diz que É normal não encontrar sentido na vida quando se está muito condicionado pelo mundo. Já com 15, 16 ou 17 anos você já está sofrendo toda a pressão dos pais, amigos e da sociedade inteira por uma carreira definida e que, de preferência, dê um longo e financeiramente estável futuro.

Como diz o filósofo zen-budista Alan Watts em um outro vídeo, “E se o dinheiro não fosse a finalidade?”.

Diz a Shelley no artigo dela:

“Nossa sociedade reduziu o sucesso a uma lista de itens a serem preenchidos: formar-se no colégio, conseguir um(a) companheiro(a), ter filhos, sossegar num caminho profissional bem definido e ficar ali até que os cheques da aposentadoria comecem a chegar. Esse caminho bem costurado coloca as pessoas na direção do conformismo, não do propósito.

Estamos tão ocupados evitando medos auto-impostos de não sermos suficientemente (preencha aqui alguma qualidade) – espertos o suficiente, criativos o suficiente, bonitos o suficiente – que raramente paramos e nos perguntamos “Estou feliz e satisfeito? E se não, o que eu deveria mudar?”

Encontrar seu propósito tem a ver com ouvir essa vontade interior. No livro “Deixe Sua Vida Falar”, Parker Palmer diz que deveríamos deixar nossa vida falar a nós, e não dizer à vida o que vamos fazer com ela. Um chamado é apaixonado e compulsivo.

Começa com uma curiosidade (“Eu gostaria de tentar isso”) e então se transforma num mandato que você simplesmente não pode mudar. Um chamado não é um caminho fácil, e é por isso que a maioria de nós nunca o conhece. Tememos o esforço, a idiotice, o risco e o desconhecido. Então escolhemos uma carreira porque preenche os itens que fomos convencidos a preencher.”


3. Você odeia o silêncio:

Bom, não conheço muitas pessoas que realmente odeiem o silêncio, mas muitas que “não suportam”. A justificativa é que o silêncio ou é angustiante ou uma perda de tempo. Aqui não há muita discussão, pois apenas no silêncio de si mesmo é que se descobre a essência da vida, por mais subjetivo e deconhecido que isso parece, então se não houver isso, não há mais muito o que fazer. 

Apesar de algumas pessoas irem bem em seus caminhos e carreiras sem o tal silêncio, se você prestar atenção vai perceber que muitas delas cultivam o silêncio e os longos momentos contemplativos pessoais com bastante frequência. A experiência de estar preenchendo seu próprio propósito é calmante e satisfatória, inclui e se deleita no silêncio, enquanto que a experiência (ainda que bem sucedida) de estar fora do seu caminho traz angústia e inquietação, coisa que o silêncio acentua e que, por isso, se rejeita.

No texto da Shilley:

“Vivemos numa sociedade que não valoriza o silêncio. Valoriza a ação.
Mas viver sem silêncio é perigoso. Sem ele, você acaba acreditando que seu ego – e tudo que ele quer – é seu propósito. Se você imaginar bem esse cenário, sabe que ele não termina bem. Viva uma vida onde o Ego está no comando e você encontrará o esgotamento – e uma questão: “Eu tenho uma ótima vida. Porque não estou satisfeito?”.

O silêncio abafa o barulho e cria um espaço para a autenticidade aparecer. Em silêncio, você pode se perguntar como sua vida ou seu trabalho realmente está indo e pausar para esperar a resposta. Em silêncio, você dá tempo para que as informações da sua vida convirjam em algumas lições. Geralmente, entretanto, antes que as lições tenham tempo para penetrar você já foi para a próxima distração.”


4. Você não gosta do lado sombrio de si mesmo:

A não ser que você tenha nascido um iluminado, o que neste caso não estaria lendo esse blog (rs), as chances de você não gostar ou não ter gostado da sua sombra são de 100%. 

O trabalho de conhecer e aceitar e crescer com o próprio lado sombrio é geralmente uma consequência do trabalho esmerado e profundo sobre si mesmo, seja em terapia, em meditação, em outras práticas, ou tudo isso junto. Aqui, de novo, aparece nossa cultura que não vê nenhum valor em não rejeitar ou em aceitar algo “ruim”, “negativo”, traços de fraqueza ou maldade ou escuridão. É a sombra, como definiu Carl G Jung.

“A sombra é o lado da sua personalidade que você não quer que os outros vejam. Representa suas deficiências, suas falhas, suas motivações egoístas. A maioria de nós evita isso antes que qualquer um possa ver. Mas há uma coisa: a parte de você que é a mais escura tem a maior quantidade de coisas para lhe ensinar sobre seu propósito.

Se descobrir seu propósito é realmente sobre auto-conhecimento, sua escuridão lhe mostra onde você mais precisa crescer. Mais importante ainda, mostra de quem você mais precisa aprender. É das pessoas que você menos gosta que você tem mais a aprender sobre si mesmo. Mas a maioria ignora o lado sombrio. Em vez disso, você busca relacionamentos confortáveis que reforcem as imagens gastas e obsoletas de si mesmo.”


5. Você ignora a mente inconsciente:

Diz a Shelley:

“No livro “The Social Animal”, David Brooks fala sobre o preconceito de nossa cultura que diz que “a mente consciente escreve a autobiografia da nossa espécie”. Assim como Brooks, acredito que nossa cultura tem um relativo desdém pela mente inconsciente e tudo que ela representa – emoções, intuição, impulsos e sensibilidades. Para descobrir nosso propósito, temos que estar confortáveis com nossa mente não-lógica. Você deve se acostumar em não ter as respostas. Você deve tolerar a ambiguidade e aceitar as lutas.

Deve se permitir sentir – profundamente sentir. Planejar intelectualmente seu caminho em direção a uma vida com propósito não funcionará nunca. Mas isso é pedir demais para a maioria das pessoas. Elas vão negar, despistar, ridicularizar ou simplesmente ignorar. E essa é a razão pela qual a maioria de nós viverá sem saber qual o verdadeiro propósito.”

Parece lógico e sensato que deveríamos ter o controle de tudo (ou da maioria das coisas) e estarmos plenamente conscientes de todos os nossos passos e não sofrermos com fraquezas nem obstáculos. Mas a vida simplesmente não é assim. “Há muito mais coisa entre o céu e a Terra, Horácio, do que imagina vossa vã filosofia”, já dizia Shakespeare. E a mesma coisa vale nosso universo interior. 

O ser humano é uma manifestação da forças e energias múltiplas, dinâmicas e inteligentes, e reconhecer e viver isso é apenas um dos passos no caminho do auto-conhecimento e do próprio propósito. Não é a toa que várias técnicas terapêuticas levam em conta todo esse compêndio que a vida humana expressa, e é assim que entendem e curam e integram o ser em si mesmo.
(por Nando Pereira | Via: Dharmalog)