quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

JÁ DEU POR SI A REPETIR O MESMO PADRÃO DE COMPORTAMENTO?



O motivo porque actuamos de certa forma, esta nos erros de uma vida passada.
A isso chama-se KARMAS.


Karma, em sânscrito, significa "criar". O karma não é castigo, é uma oportunidade que nos é dada de repor a harmonia daquilo que esteve em desequilibro.
Antes de nascermos, somos um espírito que não reconhece tempo nem espaço, tempo e espaço só existe cá na Terra, e o nosso propósito maior é o aperfeiçoamento.

Nossa única missão é atingir a harmonia...

No início, nenhum espírito tem karmas, á medida que tem experiências de vida, adquire-os.

Alguém que numa existência teve muito poder e cometeu excessos, terá oportunidade de, numa outra vida, aprender a lidar de forma equilibrada com o poder. Tem a seu favor os Dharmas, que são os dons trazidos de experiências anteriores.

A experiência humana na Terra é como passar pela faculdade, há disciplinas em que temos sucesso, noutras chumbamos, temos que as repetir, até que todas estão concluídas e recebemos o diploma.

A alma não tem sexo, existe apenas a energia Yin e Yang, ou seja, feminina e masculina. Numa alma feminina predomina a energia Yin, mas essa alma pode encarnar num corpo de energia Yang para aprender com essa vibração. 
Nascemos andrógenos, depois é necessário equilibrar as duas energias, o que paasa por harmonizar a tendência para a acção e racionalidade com a sensibilidade e percepção.

Somos nós que escolhemos ser homem ou mulher, consoante o que temos aprender.
Também somos nós que seleccionamos os nossos pais, estas escolhas dependem da necessidade de cada espírito. 

O que define essa escolha são os nossos karmas passados, sabemos o que está pendente, o que ficou por resolver, o que nos deixou peso, culpa ou raiva. A alma sabe em que contexto deve reencarnar para melhor resgatar os seus karmas, lições que serão dadas são o que interessa, não as pessoas que vão ser nossos pais.

Tanto que por vezes damos por nós dizendo ou sentindo que é mais nossa família nossos amigos que nossos familiares, porque é com a nossa família biológica que temos mais desentendimentos e conflitos,... Tudo se resume em lições de aprendizagem que nós escolhemos ter...

Na vida sentimental acontece precisamente o mesmo, há sincronias que não se explicam.

Quantas vezes a pessoa errada, era a pessoa certa?
Quantas vezes o/a nosso/a parceiro/a passa de bestial a besta, em minutos?
Porque nos sentimos atraídos pelo mesmo tipo de pessoa "problemática"?

Se agimos mal com alguém, noutra vida teremos relacionamentos "errados" para pudermos aprender a lição, é-nos dada a oportunidade de resgatar um karma.
Quando uma relação acaba, não significa que desperdiçámos tempo, há sempre lições a retirar, por piores que os relacionamentos tenham sido.

Nada é ao acaso e não existem coincidências, mas sim desequilíbrios energéticos que temos que os resgatar. 


Como identificar os nossos karmas?

  • Se está rodeado de pessoas que exercem poder sobre si, provavelmente tem um karma de Poder. Cometeu excessos quando esteve numa situação de domínio e agora tem a oportunidade de compreender o outro lado e perdoar-se a si própria.
  • Se atrai sempre o mesmo tipo de parceiro, alguém demasiado possessivo, desligado ou infiel, é porque tem o karma dos relacionamentos á espera de ser resgatado. Talvez numa outra vida tenha tido essas atitudes com um companheiro e agora poderá libertar-se dessa culpa. alguém

Karma do Amor:

Numa vida anterior, abandonou alguém ou foi abandonada. Nesta vida, tem relacionamentos tensos, seja com o parceiro, com seus pais ou com os seus filhos. Traz em si um sentimento de insatisfação.

    A lição deste karma é aprender a cultivar alegria e a espiritualidade


Karma da Comunicação:

Noutras vidas, teve acesso a muito conhecimento, recebeu ensinamentos preciosos, mas nunca os transmitiu. 

            Agora, deve aprender a partilhar, a dar-se aos outros sem reservas e a dialogar


Karma da Agressividade:

No passado, foi violento e agressivo com os outros, seja física, psicológica ou emocionalmente.

           Nesta vida, tem de aprender a arte da diplomacia, dos acordos e das parcerias


Karma dos Excessos:

Teve, noutras vidas, comportamentos excessivos, comeu ou bebeu demasiado, foi viciado em sexo ou esbanjou dinheiro.

    Terá de aprender o que custa conquistar algo e, por isso, só com muito esforço terá o que deseja


Karma dos Rompimentos:

Noutra vida, abusou da liberdade e rompeu de forma abrupta com os outros, sejam pais, filhos, amigos... 

É tempo de aprender a fechar portas sem deixar ressentimentos, ter relacionamentos estáveis é o desafio


Karma da Sedução:

No passado, usou o charme, a sedução e o corpo como ferramenta de conquista. 

    Aprenderá agora a ter relações mais verdadeiras e profundas, não baseadas somente na imagem 


Karma do Poder:

Alguém que, noutra vida, abusou do poder que tinha.

Terá agora de aprender a ser mais submisso



Se passarmos a vida a repetir o mesmo comportamento, agravamos e aumentamos a energia desse karma.


Ao tomarmos consciência de que estamos a repetir um padrão, seja nos relacionamentos, no trabalho ou no modo como lidamos com o dinheiro, podemos quebrá-lo, alterando o nosso comportamento. Quando não o fazemos nós mesmos, a vida acaba por nos dar conjuntura propícia a essa alteração.


  • Imagine que está num relacionamento infeliz, se não tomar rédeas da situação e avançar para o fim, provavelmente haverá uma situação que vai provocar a ruptura.
  • Se tem um emprego que não o satisfaz, mais tarde ou mais cedo, se não tomar rédeas da situação, algo vai desencadear a saída, mesmo que seja um despedimento inesperado.
Estas situações que muitas vezes, julgamos ser negativas, são as velas que iluminam o nosso caminho para a evolução, ainda que nos possamos sentir magoados e perdidos. É aqui que entra a fé de que o Universo está em sintonia connosco.

Quantas vezes não sentiu o tapete a fugir-lhe dos pés e , mais tarde, acabou por compreender que foi a melhor coisa que lhe sucedeu para estar bem?


Qual o momento ideal para resgatar o karma?

Um karma só se liberta quando tomamos consciência da sua existência, só o resgatamos se exercemos um perdão quer a nós quer aos outros. 

Trata-se de autoconhecimento.

Se não tivermos consciência do que temos a libertar, vamos pensar que estamos apenas numa fase má da vida.
Quando tivermos evoluído, quando sentimos que a energia da terra já não nos atrai, libertamo-nos e saímos do plano terreno, a que chamam de "morte". Que na verdade, é apenas a transição do espírito para outros planos, onde não é preciso um corpo físico.

Quando já libertámos todos os karmas, não voltamos a reencarnar, mas há espíritos que regressam para ajudar outros nas suas missões, chamam-se espíritos de luz, pessoas que estão no mundo para transformar o ódio em amor.

Para além dos karmas individuais, existem karmas colectivos, neste momento estamos a sair da era de Peixes, que se pauta pelo sofrimento e é representada por Cristo na cruz, estamos a entrar na era de Aquário, representada pela libertação.
A comunicação será telepática e as pessoas vão voltar-se para a sabedoria e a iluminação, não por acaso que existe esta explosão de correntes de auto-ajuda e de espiritualidade.


PERMITA-SE SE AUTO CONHECER .... ATRAVÉS DA MEDITAÇÃO, TAROT, LEITURA DA AURA, CERIMÓNIAS XAMANICAS, ETC... ENTENDERÁ MELHOR O SENTIDO DE SUA VIDA.

Ahô

Cátia Cardana

(alguns excertos foram retirados de textos de Dulce Regina, astrologia kármica)

Sem comentários:

Enviar um comentário