quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

AS PROVAÇÕES DA VIDA





Para compreendermos as sortes e os azares e como a vida e o destino funcionam, temos que nos abstrair desta mundana condição humana e temos de observar através do princípio do ciclo das encarnações que é um sistema de aprendizagem e a Lei da causa e efeito ou karmica que rege este processo global.

Na vida Eterna

Lá em cima, na 5ª Dimensão, na eternidade deste Universo a que pertencemos, somos obrigados a aprender Lições e para isso descemos a um Plano inferior em que nos materializamos sobre a forma de uma vida inteligente e antes de partirmos do Lar celestial, é nos mostrado o Destino de toda a encarnação como as missões, as provações e consequentes lições que devem ser aprendidas com essas experiências, a forma como perdoamos e superamos os ensinamentos, e lá vimos nós tendo escolhido a Família e os Pais e aquilo que nos irá passar ao longo da vida.

No dia-a-dia

Vivemos a vida que escolhemos mas estamos totalmente esquecidos dessas decisões, estamos totalmente amnésicos do outro lado até que a morte venha e mesmo assim, há quem se recuse a retornar ao Lar Celestial - até ser carregado à força para o Ministério da Regeneração.

Ao longo do percurso da Vida, temos marcos pelos quais, por muitas decisões que tomemos num sentido de fuga, obrigatoriamente iremos sempre por lá passar, e muitas vezes somos obrigados a tomar uma determinada decisão, por muito que nos custe.

Fugir ao Destino, que são os marcos da vida, é ir dar uma grande volta repleta de problemas e chatices para mais tarde sermos obrigados a estar defronte da mesma situação e ter de tomar a decisão esperada. Pode ser ter de falar com uma pessoa, ou ajudar alguém, etc.

Mas se estava predestinado pelo Destino, não cumprir estes marcos é condenarmos a repetir mais uma encarnação (ou mais) para passar por aquelas experiências que se renunciou.
A renuncia pode ser até o suicídio, a pior das saídas que leva a um castigo divino severíssimo.

As Provações

Quando passamos por uma experiência, boa ou má, o objectivo é superá-la, aprender as lições, desvalorizar e perdoar. Desta forma, teremos superado a provação.
Nós passamos provações para aprendermos a crescer, a evoluir para o perdão.

Os motivos da provação podem ser no imediato inatingíveis. Citando uma dissertação de Kryon aonde ele aborda o sentido das encarnações, ele dá o exemplo de uma criança pequena que é raptada por um pedófilo assassino e as pessoas procuram desesperadamente a criança e imploram a Deus que seja salva.

A criança acaba por ser morta e encontrada e instala-se a revolta entre os populares, sendo a critica maior?
"Meu Deus, porque permitistes esta barbárie? Eu que orei tanto!"
ou "Onde estavas tu Deus?"

Este é a curta visão do homem pois Kryon prossegue com a explicação do ponto de vista superior, da mecânica das encarnações e as missões na vida. Aquela criança tinha como missão se sacrificar para chamar a atenção de todas as pessoas para os casos de maus tratos das crianças. 

No momento que ela esteve na iminência do acto hediondo, o Livre Arbítrio de Deus permitiu que ela chamasse ajuda e seria salva por Deus como as pessoas esperavam, mas tal como Jesus Cristo decidiu avançar e morrer na Cruz, nós, os nossos espíritos tomam a decisão de cumprirem ou não a sua missão nesta Terra.

Vamos observar outro exemplo que é raro mas se enquadra nos temas presentes neste espaço.
"Você" descobriu que a razão da sua vida estar estranhamente demasiado complicada se deve a alguém lhe ter feito uma macumba, feitiço, bruxaria que é exactamente a mesma coisa.

Como nota, esqueça as velinhas e as missinhas porque o trabalho é rigorosamente seu e não é para ser feito pelos outros.
Pode vir a saber ou não quem lhe fez tal maligna maldade, mas vão se passar três fases, mesmo que não chegue á ultima porque infelizmente o mal tende a gerar reactivamente mais mal e infelizmente muito pouco perdão.

Sem comentários:

Enviar um comentário