sexta-feira, 20 de setembro de 2013

DESAPEGO MATERIAL




Devemos pensar que a nossa vida é dotada de ganhos e perdas, onde conseguimos coisas através de nossos esforços pessoais mas também podemos perder se não formos talentosos para superar tudo isso. As coisas materiais foram criadas para ajudar na vida e no cotidiano das pessoas, onde elas atuam dando prazer em cada ser, porem elas não devem ser motivo de apego a nos mesmos, isso por que um dia quando morrermos perderemos todas as coisas que aqui na terra tivemos.


O apego é uma das maiores ilusões da vida terrena... Apegar-se a que? A quem? Apegar-se para que? Se tudo é transitório, se tudo é passageiro...

O apego é uma das fontes de maior sofrimento... quanta dor, quantas lágrimas por nada.
O apego é o mesmo que querermos segurar o vento, o ar... somente com o desapego é que podemos ter... ter o que é da alma... porque nós não temos... nós simplesmente somos... somos o que somos.

O sofrimento do apego se inicia aqui, na Terra, quando presos aos mayas* acreditamos ter posse sobre as coisas materiais; a nossa terra, a nossa terra, a nossa casa, as nossas roupas, a nossa beleza, o nosso carro, o nosso cargo, a nossa posição social, o nosso talão 5 estrelas, o nosso cartão de crédito internacional, a nossa empresa e assim por diante... Claro que a prosperidade é um direito do ser, é estarmos em sintonia com a energia da abundância cósmica, mas não podemos confundir com posse... 

Alguns tem um forte sentimento de apego dentro de um Mini 1990 e outros passarão totalmente desapegados dentro de uma Mercedes 2013... nós aprendemos na Luz e na sombra... temos que perder para darmos valor ao ganhar, temos que passar pela escassez para aprendermos a buscar a abundância; e a vida é uma grande roda, que gira e gira e nós vamos vivenciando todos os desafios, todas as situações para adquirirmos sabedorias... tudo é cíclico... tudo é empréstimo temporário para o nosso aprendizado.

Quanto sofrimento é gerado à alma no momento do seu desencarne, quando, presa aos apegos terrenos... não alcança a Luz porque está olhando as sombras; não atinge um nível maior de consciência porque está presa à inconsciência dos apegos terrenos...

Devemos sim viver os prazeres da terra, com o desapego da alma... vivendo aquilo que a vida está nos proporcionando sem a prisão do medo da perda...

Sem comentários:

Enviar um comentário